Campo Grande •23 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Valdelice Bonifácio | Quarta, 30 de Agosto de 2017 - 14h29Governo proíbe aglomerações no Parque dos PoderesDeputados se movimentam para derrubar decreto, alegando que é autoritário

(Foto: Marco Miatelo)

Um decreto publicado nesta quarta-feira, 30 de agosto, em Diário Oficial assinado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB)  proíbe a aglomeração de pessoas Parque dos Poderes “com a finalidade de preservação do meio ambiente e da ordem e da segurança públicas.” A atitude gerou polêmica. Na Assembleia Legislativa, deputados se movimentam para derrubar o decreto, alegando que a medida é autoritária e inconstitucional.

Protestar no Parque dos Poderes é uma atitude historicamente corriqueira principalmente entre as categorias de servidores públicos estaduais. Em junho deste ano, policiais civis montaram um acampamento em frente à governadoria. Eles pediam melhorias salariais e de condições de trabalho, usando megafones e faixas colocadas no canteiro. O protesto durou 30 dias.

Conforme o decreto fica proibida a utilização de aparelhos ou de instrumentos, de qualquer natureza, produtores ou amplificadores de sons, ruídos, barulhos e rumores, individuais ou coletivos. Também está proibida a queima de fogos morteiros, bombas e fogos/foguetes de artifício em geral ou a prática de qualquer ato que possa provocar a ocorrência de incêndio.

Também está vedada a instalação ou a afixação de placas, anúncios, cartazes, tapumes, avisos, sinais, propaganda ou de quaisquer outras formas de comunicação audiovisual ou de publicidade, assim como a colocação de mobiliários em geral, equipamentos de qualquer natureza, objetos ou de dispositivos delimitadores de trânsito.

Ainda de acordo com o texto não será mais possível  a concentração de pessoas, eventos ou reuniões, independentemente de sua finalidade, sem prévia autorização da Secretaria de Estado de Governo. Está proibida “a prática de qualquer ato que possa acarretar perturbação à execução da atividade laboral pelos servidores e pelas autoridades públicas, ao acesso ao serviço público pela população em geral, ao trânsito de veículos e de pessoas, bem como degradação ou prejuízo ao meio ambiente.

Punições – De acordo com o texto, as pessoas físicas ou jurídicas que infringirem as disposições do decreto ficam sujeitas à pena de multa no valor de cinco Unidades Fiscais Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul (UFERMS), por ato; e de apreensão dos objetos, instrumentos, mobiliários ou dos equipamentos indevidamente utilizados.

Se a conduta for praticada por servidor público ou se este, de qualquer modo, concorrer para a efetivação das ações mencionadas no decreto, serão aplicadas, ainda, as sanções disciplinares pertinentes, nos termos da lei. Em caso de reincidência, a multa será aplicada em dobro.

Ficam autorizados a imediata intervenção da Polícia Militar e o ajuizamento de medidas judiciais pelo Estado, para o cumprimento da lei e a preservação da ordem e da segurança públicas locais, diz o decreto. A Casa Militar adotará as medidas administrativas necessárias à fiscalização e à aplicação das penalidades previstas no decreto visando à preservação da ordem e da segurança públicas, cabendo-lhe requisitar à Secretaria de Estado Justiça e Segurança Pública apoio logístico e de pessoal e, inclusive, a expedição de regulamento para execução dessas medidas, se necessário.

Deputados – O deputado estadual Pedro Kemp (PT) criticou o artigo que veda a realização de concentração de pessoas, eventos ou reuniões, independentemente de sua finalidade, sem prévia autorização da Secretaria de Estado de Governo. Para ele, a medida é autoritária e inconstitucional.

Kemp apresentou Projeto de Decreto Legislativo para sustar a deliberação. “É afrontosa a ofensa constitucional do artigo 2º do Decreto, uma vez que impede a realização de manifestações e reuniões em espaços públicos sem a prévia autorização. A Constituição Federal preceitua como direito fundamental que todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização”, afirmou Kemp.

O parlamentar também considerou abusivos os artigos que dizem respeito a sanções civis e penais para quem desrespeitar o decreto e a abertura de processo administrativo ao servidor público que, de qualquer modo, concorrer para a efetivação das manifestações e reuniões no Parque dos Poderes. Para o deputado Dr. Paulo Siufi (PMDB), o ato do Poder Executivo é intolerante e fascista. “Além disso, o Parque dos Poderes é do povo e não do Governo do Estado”.

O Projeto de Decreto Legislativo segue à Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) para análise legal. No Plenário, a proposição será apreciada em única discussão e votação. 

(Com informações da assessoria de imprensa parlamentar)

Veja Também
Congresso derruba veto de Temer a renegociação de dívidas
Sessão é encerrada e manifestantes prometem voltar
Defesa do casal Garotinho tenta habeas corpus para soltar Rosinha
Cerca de 3 mil funcionários param sessão e deputados saem
Temer recua da posse de Marun como ministro
Carlos Marun é confirmado ministro do governo Temer
Sob protestos, reforma da Previdência é aprovada
PMDB indica Marun para ministro no governo Temer
Tribunal reduz condenação de Eduardo Cunha na Lava Jato
Desembargador esclarece que não decretou sigilo na Lama Asfáltica
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento