Menu
16 de julho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Aposentadorias

Nova reforma acaba com seguridade do trabalhador, diz ex-ministro

Para Carlos Eduardo Gabas, o que está em jogo não é apenas a previdência social

13 Mai2019Byanca Santos - Especial para o Diário Digital17h53
(Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

A reforma da Previdência, um assunto que ainda está em estudo no Congresso Nacional foi debatido em audiência na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul nesta segunda-feira, 13 de Maio. O ex-ministro da Previdência Social Carlos Eduardo Gabas participou. Ele é contrário à reforma proposta, pois acredita que, se for implementada, ela destruirá a seguridade social. 

Proposto pelo deputado Pedro Kemp (PT), o evento contou com representantes de 45 entidades sindicais e movimentos sociais e teve como objetivo apresentar os impactos constitucionais, econômicos e sociais que a reforma pode causar.

O ex-ministro já percorreu 17 estados brasileiros. Segundo ele, esses debates são importantes para proporcionar esclarecimento à população e unir forças contra a proposta. “Eu estudei, fiz pós-graduação, tenho 33 anos de previdência. O que eu quero é dividir a percepção com a população, temos apenas uma saída, debater com a população”, disse Gabas.

Gabas é contra a mudança proposta para previdência, pois acredita que essa nova reforma pode acabar com a seguridade do trabalhador. Segundo o Escritório Internacional do Trabalho (OIT), trinta países privatizaram total ou parcialmente seus sistemas de previdência social e dezoito países fizeram a re-reforma dessa privatização.

“A proposta vai fazer o trabalhador ir além dos 70 anos. Não está apenas em jogo a nossa aposentadoria, o que o governo propõe na PEC 06/2019 é um desmonte do sistema de proteção social brasileiro”, opiniu o ex-ministro.

Ainda conforme o estudo do OIT, mostrado pelo ex-ministro na audiência, países que fizeram a reforma passaram dificuldades, pois as falhas do sistema de previdência privada tornaram-se evidentes e tiveram que ser corrigidas.

Em uma audiência pública da comissão especial da Câmara dos Deputados onde discutiam  a proposta da emenda à Constituição, Paulo Guedes afirmou que a reforma irá combater a desigualdade e a redução de privilégios. Gabas acredita que não é privilégio um trabalhador rural aposentar com 60 anos. “Alguém acha que é muita folga um homem do campo aposentar com 60 anos, então tenta sorte, troca de lugar. É possível economizar dinheiro sem tirar os direitos das pessoas”, disse o ex-ministro.

A bancada federal do Estado composta por Fábio Trad (PSD), Beto Pereira (PSDB) e Rose Modesto (PSDB) apoiam à reforma da previdência, mas os deputados Dagoberto Nogueira (PDT) e Vander Loubet (PT) que também representa o Estado são contra o projeto.

Dagoberto e Vander Loubet estiveram presentes à audiência na Assembleia, demonstrando apoio contra o projeto. Dagoberto diz que o país é protecionista e que a última reforma acabou com os direitos dos trabalhadores. “Veio à reforma, acabou com o direito dos trabalhadores, nosso PIB caiu, a indústria e o comércio padeceram, não melhorou absolutamente em nada, a não ser em piorar o país”, disse deputado.

Veja Também

Mourão defende reforma política após a conclusão da Previdência
Brasil assume a presidência pró-tempore do Mercosul
Câmara reduz idade mínima de aposentadoria para professores
Mulheres terão aposentadoria integral cinco anos antes dos homens
Bolsonaro afirma pode indicar seu filho como embaixador
Governador entrega cobertores para os 79 municípios nesta quinta
Governo recorre de liminar que suspendeu jornada de 8h
Câmara aprova texto-base da reforma da Previdência
Líder da maioria confirma acordo para aposentadoria de policiais
Bolsonaro diz que indicará evangélico para Supremo Tribunal Federal