Menu
7 de dezembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Bolívia

Evo Morales renuncia ao cargo de presidente da Bolívia

Presidente fez pronunciamento de Chimboré, seu principal reduto político, para onde tinha ido após anúncio das Forças Armadas e da polícia a favor da renúncia

11 Nov2019R7.com07h31

Evo Morales renunciou ao cargo de presidente da Bolívia. Em pronunciamento feito de Chimboré, na província de Cochabamba, diz que o faz para que os opositores parem de cometer violências contra seus apoiadores.

No pronunciamento, acompanhado de seu vice-presidente, Alvaro Garcia Linera, Morales acusou Carlos Mesa, ex-presidente, e Luis Fernando Camacho, líder dos protestos de oposição, de cometerem um golpe de Estado.

"Estamos renunciando para que nossos irmãos mais humildes deixem de ser agredidos. Família pobres, humildes, não queremos que haja enfrentamentos", disse Morales. "Decidimos renunciar ao nosso triunfo para que haja eleições, tudo isto pela Bolívia, pela pátria."

Cerca de uma hora antes, o comando das Forças Armadas da Bolívia e os chefes de polícia haviam feito anúncios pedindo a renúncia de Morales.

A decisão de Evo Morales ocorre vinte dias após a votação que teria lhe garantido o quarto mandato consecutivo à frente do governo boliviano já no primeiro turno, vencendo o opositor e ex-presidente Carlos Mesa.

O resultado das eleições de 20 de outubro, no entanto, foram contestados pela oposição e deflagraram grandes protestos contra e a favor de Morales. Os confrontos entre partidários e opositores do presidente se intensificaram na última semana.

Motins em quartéis e auditoria

No sábado (9), houve notícias de motins em quartéis de polícia. No domingo, a auditoria eleitoral feita pela OEA (Organização dos Estados Americanos) apontou a existência de indícios de fraude. De imediato, Morales foi à TV para anunciar que aceitava o resultado da auditoria e convocaria novas eleições.

À tarde, a movimentação nas ruas aumentou. Com a prisão de membros do Tribunal Supremo Eleitoral, acusados de envolvimento com as fraudes, e adesão das Forças Armadas, da Chefia de Polícia e da Defensoria Pública às pressões por renúncia, Morales partiu de avião de La Paz para Chimboré.

No pronunciamento sobre a renúncia, Morales denunciou diversos atos violentos contra líderes do seu partido MAS e às famílias dele e de Linera. "Se algo acontecer com Evo ou Álvaro, saibam, será responsabilidade de Mesa e Camacho."

Veja Também

Em Dourados, folha dos servidores passa do Banco do Brasil para Bradesco
Governo envia plano de aplicação dos recursos do Fundersul 2020
CPI convoca tecnólogo que encontrou suposto erro em medidor de energia
Extinção de municípios não é 'ponto de honra', diz Bolsonaro
Prefeitos lutam contra proposta que extingue cinco municípios em MS
Audiência pública na Câmara vai debater PECs Emergenciais 186 e 188
Governo lança campanha de incentivo ao voluntariado
Aprovado programa que multa corte irregular de árvores em MS
Bastidores do impeachment de Dilma Rousseff são tema de documentário
Câmara firma parceria com Associação dos Novos Advogados