Menu
21 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Economia

Estado faz pente-fino em incentivos fiscais

Governo pedirá ressarcimentos a toda empresa que não honrou compromissos

12 Set2017Valdelice Bonifácio e Mariel Coelho, especial para o Diário Digital18h24

O governo de Mato Grosso do Sul realiza uma varredura nos acordos de concessão de incentivos fiscais que beneficiam 1.199 empresas instaladas no Estado. A informação é do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) que pretende pedir ressarcimentos em caso de descumprimentos de acordos, da mesma forma que já anunciou que procederá em relação à JBS, que admitiu não ter feito os investimentos previstos em suas plantas frigoríficas.

“O Estado vai ter convalidar isso (incentivos às empresas) a nível do Conselho Nacional de Política Fazendária. Então, as empresa passarão por um crivo da veracidade dos documentos,  autenticidade, se houve ou não fraude.  O que já foi fraudado, como é o caso destes termos que já identificaram que não cumpriram, o Estado vai pedir ressarcimento, não só da JBS, mas de toda a empresas que teve o benefício fiscal e não devolveu o que foi prometido”, mencionou durante entrevista após evento na governadoria na qual assinou acordos para o desenvolvimento do Projeto Rondon no Estado.

Na entrevista, o governador mencionou que as empresas incentivadas geraram milhares de empregos em Mato Grosso do Sul. “O PIB do Estado terá o terceiro maior crescimento do País”, destacou.

BR- 163 - No mesmo evento, o governador também comentou a decisão da concessionária CCR MS Via que administra a BR-163 de reajustar os pedágios cobrados na rodovia. Ele mencinou que está preocupado com o fato de rodovias estaduais se tornarem rota de fuga de motoristas da BR-163 que pretende diminuir o valor do desenbolso. "Isso é uma preocupação, tanto que estamos tratando dessa situação junto à concessionária (...) Nossa atuação é para preservação", disse, acrescentando que sua equipe técnica para colocação de balanças nas rodovias para evitar o excesso de peso.

Fábrica de fertilizantes - O governador também comentou a venda da fábrica de fertilizantes nitrogenados, a UFN3, de Três Lagoas. “A Petrobras que é a proprietária da UFN3 colocou à venda. Ela já está disponível. Teve questionamento judicial com decisão favorável à Petrobras (...) Já que Estado e Município deram inventivos para a construção da indústria, a gente espera que ela possa ser concluída e gerar os empregos prometidos”, mencionou.

“Nossa interferência é torcer, falando com a Petrobras. A gente tem conversado com o Pedro Parente. Já que a Petrobras não tem capital própria que ela possa desonerar esse ativo para a iniciativa privada para que faça os investimentos e devolva para Mato Grosso do Sul os empregos e investimentos que foram feitos como doação da área e incentivos fiscais da obra”, complementou.

Veja Também

Câmara quer pressa em apreciar alterações
Reservista do serviço militar poderá atuar como policial voluntário
Biometria para deputados é implementada na Assembleia
ex-governador Cabral vira réu pela 24ª vez
Verba para UBS não sai e abre divergência política
Simone elogia retomada das obras de fábrica de fertilizantes em MS
Educação Ações podem acabar com cursos EaD na área da saúde em MS Medidas foram decididas em audiência pública da assembleia
Eleições 2018 Eleição sem dinheiro de empresários Pela 1ª vez, campanha eleitoral não terá financiamento de empresas
PF pede quebra de sigilo telefônico de Temer e ministros
Senadora de MS sugere Comissão sobre Segurança Pública