Menu
20 de fevereiro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Eleições 2018

Reinaldo venceria Odilon em segundo turno

Governador aparece com 50% das intenções de voto contra 35% do juiz aposentado

4 Out2018Laureano Secundo12h00

Se a disputa pelo Governo do Estado eventualmente for para uma definição no segundo turno, o atual e candidato à reeleição Reinaldo Azambuja (PSDB) também venceria tanto o juiz aposentado Odilon de Oliveira (PDT) quanto o deputado estadual Junior Mochi. A constatação é de pesquisa do Instituto Real Time Big Data realizada a pedido da Record TV. O levantamento foi feito entre 03 de outubro de 2018.

Conforme a sondagem, Reinaldo Azambuja (PSDB) venceria o segundo turno com 50% das intenções de voto contra 35% de Odilon de Oliveira (PDT).  Os votos nulos / branco/ Não votará representariam 7% e os indecisos totalizam 8%. Reinaldo e Odilon estão, respectivamente, em primeiro e segundo lugar nas pesquisas espontânea e estimulada para governador, segundo Real Time. Por isso, foi feita a simulação de segundo turno entre eles.

Foram realizadas 1.200 entrevistas. A divisão amostral foi feita da seguinte maneira Campo Grande (32%);  Região Sudoeste - Dourados / Maracaju / Ponta Porã / Amambaí / Caarapó / Naviraí / Ivinhema (34%); Região Leste –Três Lagoas / Nova Andradina / Chapadão do Sul / Cassilândia / Aparecida do Taboado (20%); Região Norte / Pantanasi – Corumbá / Sidrolândia / Ladário / Coxim (14%).
A margem de erro é de 3,0% e o nível de confiança: 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral sob o número MS-01440/2018/BR-06233/2018. O primeiro turno das eleições 2018 está marcada para 7 de outubro e o segundo, se de fato houver, será em 28 de outubro.
 

Veja Também

Bolsonaro entrega proposta para reforma da Previdência
Câmara quer Corregedoria atuante na Assembleia
Deputado pede investigação sobre furto de gado
Deputado propõe criação de frentes em defesa da criança e da mulher
Fake news são empecilho para vacinação contra HPV
Horário estendido nas unidades de saúde será debatido na Câmara
Trabalhador pode ter de contribuir por 49 anos, alerta senador
Nelsinho é escolhido coordenador da bancada de MS
Gustavo Bebianno é exonerado do governo Bolsonaro
STF nega recurso e Bernal segue inelegível