Menu
21 de janeiro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Educação

Eleição direta na Reme é aprovada na Câmara

Diante do apelo dos professores, vereadores aprovaram projeto de lei do Executivo

17 Mai2018Da redação14h12

Os vereadores de Campo Grande aprovaram na sessão desta quinta-feira, 17 de maio, em  única discussão e votação foi aprovado o Projeto de Lei 8.877/18, de autoria do Executivo Municipal, que institui a gestão democrática  e a eleição direta para diretores e diretores adjuntos das unidades escolares e diretores dos centros de educação infantil da Rede Municipal de Ensino de Campo Grande, a Reme. 

A sessão plenária foi acompanhada por professores que lotaram o auditório para estimular os vereadores a aprovarem o projeto de lei que passou em plenário por unanimidade de votos. A proposta segue agora para sanção e publicação por parte do Poder Executivo. A matéria vinha sendo debatida há pelo menos cinco anos.

Na sessão desta quinta-feira, os professores vestiam camiseta preta em prol da campanha criada pela ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais de Educação Pública) com os dizeres: Eleições Diretas Reme Já!

Representando a categoria, o presidente da ACP, Lucílio Souza Nobre, discursou pela aprovação da proposta. Ele afirmou que todas as vezes que a ACP luta é legal. “Piso salarial, carreira e Gestão Democrática. Em 2013, começou toda esta discussão e hoje confiamos que será aprovada”.

Lucílio apontou a independência política resultante da aprovação do projeto. “Passando o poder para a comunidade os projetos dos diretores têm início, meio e fim.  Nos últimos anos, aconteceram as muitas trocas de secretário e com isso troca de diretores e diretores adjuntos. Isso quebra o trabalho que está sendo desenvolvido porque ele (o diretor) que cuida de tudo, está envolvido com todas as partes da escola. Quando você tira ele a comunidade perde a referência”

Conforme o sindicalista, com a aprovação do projeto são pais, professores, funcionários e alunos que escolhem o diretor. Uma vez que a lei for publicada em Diário Oficial, caberá à prefeitura definir um calendário para as eleições, o que deverá ser feito em discussão com o professores.

Veja Também

Vereador investigado por corrupção é preso novamente
Ex-secretário de Fazenda de Dourados é considerado foragido
Presidente da Câmara Municipal renuncia ao cargo
Capitão Contar admite disputar prefeitura em 2020
Lei veda empréstimo com recursos oficiais a quem deve FGTS
Bolsonaro assina decreto que flexibiliza a posse de armas
MPE pede ressarcimento de pagamentos irregulares de diárias
STF vai julgar casos polêmicos a partir do próximo mês
Vereadores debatem decreto sobre grandes geradores de lixo
Bolsonaro veta regulamentação sobre pagamento com cheques