Campo Grande •25 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super banner Governo MS - Semana nacional do trânsito

Da redação | Quinta, 13 de Outubro de 2016 - 13h51Deputados alertam sobre perdas sociais com aprovação da PEC 241PEC de iniciativa do Governo Federal dispõe sobre congelamento de gastos da União por 20 anos

(Foto: Victor Chileno/Assembleia Legislativa)

Os deputados estaduais João Grandão (PT) e Pedro Kemp (PT) discursaram durante a sessão ordinária desta quinta-feira (13/10), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, sobre as possíveis perdas sociais que a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 pode trazer ao país. A PEC é de iniciativa do Governo Federal, dispõe sobre o congelamento de gastos da União por 20 anos e segue para aprovação em segunda discussão na Câmara dos Deputados, antes de ser apreciada pelo Senado.

João Grandão ocupou a tribuna e disse que a medida estrangula as áreas da Saúde, Educação e Assistência Social. “Essas são pastas que com muito custo obtivemos algumas conquistas de direitos que agora estão em risco e são justamente as áreas em que os pobres frequentam. É a escola pública, é o posto de saúde. Essa PEC não permitirá a construção de novas escolas, por exemplo. O Estado que deveria zelar por isso está fazendo o contrário”, argumentou.

Dados apresentados por Grandão apontam que a dívida brasileira representa atualmente 70,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, mas que no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) equivalia a 81% do PIB. “Nos Estados Unidos a dívida é de 101% do PIB, países da Zona do Euro 90,7%. Então essa justificativa de crise não está correta. Estão fazendo o povo pagar essa dívida, retirando políticas de inclusão social como o Bolsa Família, subsídios do Minha Casa Minha Vida. Vão mexer na Constituição e consequentemente mudar toda uma cadeia, pois as constituições estaduais e as leis orgânicas dos municípios são feitas em consonância com a Constituição Federal e tudo será afetado. Vão gerar uma instabilidade social”, explicou João Grandão.

Na visão do deputado Pedro Kemp é preciso mobilização da população para que a medida não seja aprovada pelo Senado. “O país vive um momento grave. Se o Estado deixar de investir, vai deixar de gerar empregos. O Governo quer sacrificar áreas sociais para pagar juros de uma dívida com os bancos, praticamente uma ‘bolsa-banqueiro’. Está fazendo um caixa a sacrifício do povo. Precisamos que os senadores repensem suas posições em prol do Brasil, para que não se torne um país inoperante e incapaz”, ressaltou.

(Com assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa)

Veja Também
Câmara discutirá denúncia contra Temer esta semana
Domingo, 24 de Setembro de 2017 - 14h00Colégios eleitorais abrem na Alemanha Algumas iniciativas também serão votadas em forma de referendo em certas regiões e cidades
Financiamento de campanhas é prioridade na pauta do Senado
Comissão aprova aumento de pena para casos de zoofilia
Prefeitura presta contas à Câmara em audiências no dia 29
STF decide enviar denúncia sobre Temer à Câmara
CCJ mantém veto a Lei da Inadimplência
Em CPI, secretário isenta Estado e acusa JBS
Relator da CPMI da JBS apresenta plano de trabalho
Governo dará desconto de até 95% nas multas e juros das dívidas
Square Noticias UCDB
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento