Campo Grande •24 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Da redação | Quinta, 13 de Outubro de 2016 - 13h51Deputados alertam sobre perdas sociais com aprovação da PEC 241PEC de iniciativa do Governo Federal dispõe sobre congelamento de gastos da União por 20 anos

(Foto: Victor Chileno/Assembleia Legislativa)

Os deputados estaduais João Grandão (PT) e Pedro Kemp (PT) discursaram durante a sessão ordinária desta quinta-feira (13/10), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, sobre as possíveis perdas sociais que a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 pode trazer ao país. A PEC é de iniciativa do Governo Federal, dispõe sobre o congelamento de gastos da União por 20 anos e segue para aprovação em segunda discussão na Câmara dos Deputados, antes de ser apreciada pelo Senado.

João Grandão ocupou a tribuna e disse que a medida estrangula as áreas da Saúde, Educação e Assistência Social. “Essas são pastas que com muito custo obtivemos algumas conquistas de direitos que agora estão em risco e são justamente as áreas em que os pobres frequentam. É a escola pública, é o posto de saúde. Essa PEC não permitirá a construção de novas escolas, por exemplo. O Estado que deveria zelar por isso está fazendo o contrário”, argumentou.

Dados apresentados por Grandão apontam que a dívida brasileira representa atualmente 70,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, mas que no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) equivalia a 81% do PIB. “Nos Estados Unidos a dívida é de 101% do PIB, países da Zona do Euro 90,7%. Então essa justificativa de crise não está correta. Estão fazendo o povo pagar essa dívida, retirando políticas de inclusão social como o Bolsa Família, subsídios do Minha Casa Minha Vida. Vão mexer na Constituição e consequentemente mudar toda uma cadeia, pois as constituições estaduais e as leis orgânicas dos municípios são feitas em consonância com a Constituição Federal e tudo será afetado. Vão gerar uma instabilidade social”, explicou João Grandão.

Na visão do deputado Pedro Kemp é preciso mobilização da população para que a medida não seja aprovada pelo Senado. “O país vive um momento grave. Se o Estado deixar de investir, vai deixar de gerar empregos. O Governo quer sacrificar áreas sociais para pagar juros de uma dívida com os bancos, praticamente uma ‘bolsa-banqueiro’. Está fazendo um caixa a sacrifício do povo. Precisamos que os senadores repensem suas posições em prol do Brasil, para que não se torne um país inoperante e incapaz”, ressaltou.

(Com assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa)

Veja Também
PMDB expulsa senadora que votou contra o impeachment
Congresso derruba veto de Temer a renegociação de dívidas
Sessão é encerrada e manifestantes prometem voltar
Defesa do casal Garotinho tenta habeas corpus para soltar Rosinha
Cerca de 3 mil funcionários param sessão e deputados saem
Temer recua da posse de Marun como ministro
Carlos Marun é confirmado ministro do governo Temer
Sob protestos, reforma da Previdência é aprovada
PMDB indica Marun para ministro no governo Temer
Tribunal reduz condenação de Eduardo Cunha na Lava Jato
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento