Campo Grande •29 de Abril de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Quinta, 13 de Abril de 2017 - 14h50Deputado quer ações contra tuberculose em presídios de MSProjeto que institui o Dia "D" de Combate a Tuberculose foi apresentado na ALMS

(Foto: Marco Miatelo)

A ttuberculose está entre as doenças infecciosas que mais mata no Brasil. O cenário é ainda mais grave quando se trata dos presídios, pois a doença se dissemina diante das condições precárias de higiene, de ventilação e de iluminação solar nas celas.

Preocupado com a situação de risco para o adoecimento de detentos e as condições favoráveis à infecção, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (PMDB), apresentou nesta quarta-feira (14/4), Projeto de Lei que institui o Dia “D” de Combate a Tuberculose no âmbito do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul.

Anualmente, no dia 25 de março, serão intensificadas as ações para detecção precoce dos casos. Gestores e profissionais de saúde realizarão triagens, teste molecular rápido e tratamento mais ativo da forma latente da doença. A comunidade deverá receber informações sobre prevenção e tratamento adequado. “Recebemos uma equipe que cuida da saúde nos presídios e o índice de pessoas infectadas pela tuberculose é alto. Portanto, o projeto visa despertar as autoridades diante da gravidade do problema e, a partir daí, oferecer ações preventivas para reduzir esse número alarmante”, diz Mochi.

A superlotação é o fator determinante para os altos casos de tuberculose nos presídios. No Brasil, a cada ano são notificadas aproximadamente 70 mil ocorrências da doença e 4,5 pessoas morrem em decorrência da enfermidade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que esforços conjuntos devem ser somados para se alcançar a meta de eliminação da tuberculose até o ano de 2035.

Um grupo de pesquisa, liderado pelo professor Henrique Rosa Croda, evidenciou que em Mato Grosso do Sul a taxa de tuberculose latente em pessoas que estavam no primeiro mês de aprisionamento, sendo 7,9% para homens e 8,3% para mulheres. Após um ano de encarceramento, constatou que 26% dos indivíduos que não tinham tuberculose latente e foram presos adquiriram a doença dentro das prisões. A pesquisa indicou uma elevada força de infecção nos ambientes prisionais.

Os pesquisadores detectaram ainda que 54% da bactéria do gênero Mycobacteirum Tuberculosis identificados na zona urbana de Dourados estavam relacionados com os casos identificados no presídio estadual do município. “Os dados revelam a necessidade de intensificar o controle a fim de diminuir a tuberculose nas prisões, para então reduzir efetivamente a carga da doença na comunidade”, destacou o presidente.  

Veja Também
Em depoimento a Moro, Cabral admite ter recebido caixa 2
Em São Gabriel, vereadores devolvem R$ 350 mil à prefeitura
Para Pedro Chaves, Lei do Abuso de Autoridade é inoportuna
CPI do Táxi da Capital já tem composição definida
Presidente do Senado está na UTI
MS pode ganhar data para celebrar Dia do Capelão
Quarta, 26 de Abril de 2017 - 12h17Temer exonera três ministros para votar reforma trabalhista na Câmara Relatório da reforma trabalhista foi aprovado ontem (25)
'Governo está mais otimista com economia', diz Reinaldo
Aprovado projeto que prevê controle das despesas do Município
STF revoga prisão domiciliar e Bumlai fica em liberdade
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento