Menu
19 de maio de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Poder Legislativo

Deputado alerta para aumento da pobreza e defende políticas públicas

Aprofundamento da recessão econômica tem consequências gravíssimas os mais vulneráveis, diz deputado

6 Dez2018Da redação13h51

Membro da Comissão de Trabalho, Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, o deputado Pedro Kemp (PT) foi à tribuna da Casa de Leis, durante a sessão plenária desta quinta-feira (6), para fazer um alerta. Com a Síntese de Indicadores Sociais (SIS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em mãos, o parlamentar apresentou dados que demonstram o aumento da pobreza e miséria em todo o Brasil, registrado entre 2016 e 2017.

“Na prática, o que notamos é um aprofundamento da recessão econômica, com consequências gravíssimas para a população mais vulnerável”, disse, lembrando que é considerado pobre, conforme os indicadores do Banco Mundial/ONU, pessoas que sobrevivem com o equivalente a R$ 406,00 por mês. Em todo o país, 54 milhões de pessoas estavam nessa condição no ano passado, quando os dados foram apurados, o que corresponde a 26,5% da população nacional.

Entre 2014 e 2017, mais duas milhões de pessoas ingressaram na chamada “linha da pobreza”. Kemp informou que o desemprego e a desocupação – que reúne trabalhadores informais – também foram agravados no período. “O índice de desocupados praticamente dobrou, saltando de 6,9%, em 2014, para 12,5%, em 2017. Ou seja, de cada cinco pessoas, duas eram trabalhadoras informais no ano passado”, disse.

O levantamento do IBGE também revelou que 56,9% dos lares chefiados por mulheres estão abaixo da linha da pobreza, índice que sobe para 64,4% em se tratando de mulheres negras. Já em situação de extrema pobreza – com renda mensal de R$ 140,00 –, sobrevivem 15 milhões de pessoas, de acordo com Kemp. “Vocês podem imaginar o que é viver com até R$ 140,00 por mês? A esmagadora maioria da população brasileira é pobre e precisamos pensar em políticas públicas realmente eficientes no combate à fome, miséria e pobreza”, enfatizou.

Na avaliação do deputado, os reflexos da crise econômica foram agravados com o afastamento da ex-presidente República, Dilma Rousseff, em 2016, e a Reforma Trabalhista, que, segundo Kemp, “precarizou as relações de trabalho”. “Agora, temos um governo de transição e considero muito preocupante porque não há qualquer sinalização de que serão adotadas medidas para a distribuição de renda e auxílio dos mais vulneráveis”, concluiu.

Veja Também

Reduzir imposto para combater contrabando de cigarros é ilusão, diz Simone
Empresário tem que ter liberdade para demitir, diz senadora de MS
Deputado assume função de coletor de lixo na Capital
Três comissões do Senado discutem impacto ambiental em Bonito
Bolsonaro recebe prêmio nos EUA e diz que ser presidente foi
Projeto prevê materiais biodegradáveis a copos e canudos em MS
Audiência debate ações de combate à exploração sexual
Dagoberto é eleito vice-presidente da Comissão Mista de Orçamento
Justiça autoriza bloqueio de R$ 196 milhões de Cabral e Eike
Bolsonaro se encontra com Bush