Campo Grande •21 de Fevereiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Banner Governo do Estado - Campanha IPVA

Valdelice Bonifácio | Sábado, 14 de Janeiro de 2017 - 07h00Depen deixou 12 líderes de massacre em presídio da CapitalCom a chegada deles, Presídio Federal passou a abrigar 139 detentos

(Foto: Roberto Okamura/Arquivo Diário Digital)

O Departamento Penitenciário Nacional (Depen) transferiu, nesta semana, 32 presos do Amazonas e do Acre para os presídios federais. Doze foram deixados em Campo Grande e 20 levados para o de Mossoró (RN). A missão terminou na madrugada desta sexta-feira (13). 

Os primeiros 17 a serem transferidos saíram do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), local onde ocorreu a rebelião com 60 mortes em 1º janeiro—entre estes estão os 12 que ficaram em Campo Grande. Com a chegada deles, a Penitenciária Federal da Capital passou a abrigar 139 detentos, segundo quadro penitenciário divulgado pelo Depen.

Do sistema prisional do Acre foram transferidos 15 detentos para a penitenciária federal de Mossoró.  Nesse caso, as autoridades locais observaram a presença de integrantes de facções, disputa por lideranças e ameaças a componentes do Judiciário e solicitaram apoio do Depen – órgão vinculado ao Ministério da Justiça e Cidadania (MJC).

Ao ingressarem no Sistema Penitenciário Federal, os presos são submetidos a um período de inclusão de 20 dias, sem direito a visitas, mas com assistência jurídica ofertada pela Defensoria Pública ou advogados regularmente constituídos. 

Nesse período, os familiares se habilitam no sistema federal para fazerem as visitas, que só são permitidas a parentes de 1º grau: mãe, pai, filhos, irmãos e esposa/companheira. Nesse último caso com exigência de comprovação de vinculo conjugal, por meio de declaração de união estável ou certidão de casamento.

O pedido de transferência do Governo de Roraima, local da segunda rebelião dos últimos dias com mais de 30 mortes, recebido na última quarta-feira, encontra-se em fase de análise pelas coordenações de Inteligência e Segurança do Sistema Penitenciário Federal. Assim que são encaminhados pelo governador estadual, os pedidos passam por uma avaliação dos técnicos do Depen para examinar se os presos se enquadram no perfil exigido pelo sistema penitenciário federal. Após essa fase, eles são encaminhados ao juiz corregedor.

Cabe ao Sistema Penitenciário Federal indicar a penitenciária federal mais adequada e ao juiz corregedor autorizar ou não a inclusão, a partir de critérios objetivos que comprovem que o preso possua, ao menos, uma das características previstas no artigo 3º do Decreto nº 6.877 de 18 de junho de 2009:

I - ter desempenhado função de liderança ou participado de forma relevante em organização criminosa;

II - ter praticado crime que coloque em risco a sua integridade física no ambiente prisional de origem;

III - estar submetido ao Regime Disciplinar Diferenciado - RDD;

IV - ser membro de quadrilha ou bando, envolvido na prática reiterada de crimes com violência ou grave ameaça;

V - ser réu colaborador ou delator premiado, desde que essa condição represente risco à sua integridade física no ambiente prisional de origem; ou

VI - estar envolvido em incidentes de fuga, de violência ou de grave indisciplina no sistema prisional de origem.   

 Quadro atual das penitenciárias federais
 

PFMOS/RN – 155 PRESOS

PFCAT/PR – 135 PRESOS

PFCG/MS – 139 PRESOS

PFPV/RO – 100 PRESOS

(Com informações da assessoria de imprensa do Depen)

Veja Também
Restrição em Lei da Repatriação vai diminuir arrecadação, diz Jucá
Reforma do Estado tramitará em regime de urgência
Reforma da Previdência será tema de audiência pública na ALMS
PEC da Previdência será debatida em audiências nesta semana
Reinaldo anuncia Reforma e não diz quem fica
STF dá 10 dias para Temer e deputados explicarem reforma
Foro privilegiado é incompatível com o princípio republicano, diz ministro
MPF pede suspensão de benefícios de delação a ex-diretor da Petrobras
Wilson Sami toma posse na Câmara na vaga deixada por Paulo Siufi
Sexta, 17 de Fevereiro de 2017 - 08h51Escolhido por Trump recusa cargo de conselheiro de segurança Em comunicado, Harward explicou que rejeitou o cargo por "exigir 24 horas de trabalho, sete dias por semana"
Square Banner noticias - MS Gás
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento