Campo Grande •24 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner governo do estado - IPVA

Valdelice Bonifácio | Terça, 14 de Novembro de 2017 - 18h50Delator se comprometeu a devolver R$ 3 milhõesDepoimento de empresário e pecuarista entregou esquema de corrupção em detalhes

  
Ivanildo Cunha Miranda durante depoimento de delação premiada (Foto: Reprodução)
  • Ivanildo Cunha Miranda durante depoimento de delação premiada
  • Operação Papiros de Lama, 5ª Fase da Lama Asfáltica, foi desencadeada nesta terça-feira pela PF (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O empresário e pecuarista Ivanildo Cunha Miranda cujas revelações, em depoimento de delação premiada, desencadearam a quinta fase da Operação Lama Asfáltica, a Papiros de Lama, se comprometeu a devolver R$ 3 milhões em seis parcelas, em 15 dias, a partir da data de homologação do acordo de colaboração premiada.

Pelo acordo, a Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF) se comprometem a pleitear prisão domiciliar sem o uso da tornozeleira para o colaborador. Contudo, caso se constate que o delator omitiu informações, o acordo poderá ser revisto.

A audiência de verificação da delação premiada foi realizada em 14 de agosto de 2017 na 3ª Vara Federal de Campo Grande e presidida pelo juiz Fábio Luparelli Magajewski.

Ivanildo Miranda era um operador ativo do esquema investigado na operação. Ele disse no depoimento de delação premiada que recolhia dinheiro de propina junto a frigoríficos e depois entregava nas mãos do ex-governador André Puccinelli. O delator admitiu que recebia valores para atuar como interlocutor entre os empresários e Puccinelli, função que exerceu por sete anos.

A Papiros de Lama teve Puccinelli como principal alvo. Ele é considerado importante líder da organização criminosa que lesou os cofres públicos em R$ 235 milhões em esquema de corrupção envolvendo várias empresas, segundo a PF. A delação de Ivanildo não implicou outros membros da gestão Puccinelli, mas apenas o próprio ex-governador.

Segundo a PF, Puccinelli era o “principal beneficiário e garantidor do esquema que tinha operadores, com funções definidas, várias empresas envolvidas no recebimento de vantagens e no pagamento de propinas”.

Puccinelli o filho dele André Puccinelli Júnior e os advogados Jodascil Gonçalves Lopes e João Paulo Calves estão presos em decorrência da operação. No início da noite desta terça-feira, eles foram levados para presídios da Capital. O advogado de Puccinelli e Júnior, Renê Siufi, informou que tentará um habeas corpus.

Veja Também
Reeleição de Temer depende da intervenção
Odilon confirma aliança com Pedro Chaves
Deputada de MS Tereza Cristina assume presidência da FPA
Assembleia inicia capacitação dos estudantes eleitos para o Parlamento Jovem
Proposta do Governo corrige subsídios para delegados
Tereza Cristina assume presidência da Frente Parlamentar da Agropecuária
TJ concede efeito suspensivo e libera salário do vereador Lucas Lima
Puccinelli leva evento do MDB a Naviraí e Nova Andradina
Debate sobre reforma da Previdência começa na terça, diz Marun
Prefeitos aguardam R$ 2 bi de Temer
Square notícia uci
Vídeos
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento