Menu
20 de fevereiro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Papiros de Lama

Delator se comprometeu a devolver R$ 3 milhões

Depoimento de empresário e pecuarista entregou esquema de corrupção em detalhes

14 Nov2017Valdelice Bonifácio18h50
Operação Papiros de Lama, 5ª Fase da Lama Asfáltica, foi desencadeada nesta terça-feira pela PF (Foto: Marco Miatelo)
  • Ivanildo Cunha Miranda durante depoimento de delação premiada
  • Operação Papiros de Lama, 5ª Fase da Lama Asfáltica, foi desencadeada nesta terça-feira pela PF (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O empresário e pecuarista Ivanildo Cunha Miranda cujas revelações, em depoimento de delação premiada, desencadearam a quinta fase da Operação Lama Asfáltica, a Papiros de Lama, se comprometeu a devolver R$ 3 milhões em seis parcelas, em 15 dias, a partir da data de homologação do acordo de colaboração premiada.

Pelo acordo, a Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF) se comprometem a pleitear prisão domiciliar sem o uso da tornozeleira para o colaborador. Contudo, caso se constate que o delator omitiu informações, o acordo poderá ser revisto.

A audiência de verificação da delação premiada foi realizada em 14 de agosto de 2017 na 3ª Vara Federal de Campo Grande e presidida pelo juiz Fábio Luparelli Magajewski.

Ivanildo Miranda era um operador ativo do esquema investigado na operação. Ele disse no depoimento de delação premiada que recolhia dinheiro de propina junto a frigoríficos e depois entregava nas mãos do ex-governador André Puccinelli. O delator admitiu que recebia valores para atuar como interlocutor entre os empresários e Puccinelli, função que exerceu por sete anos.

A Papiros de Lama teve Puccinelli como principal alvo. Ele é considerado importante líder da organização criminosa que lesou os cofres públicos em R$ 235 milhões em esquema de corrupção envolvendo várias empresas, segundo a PF. A delação de Ivanildo não implicou outros membros da gestão Puccinelli, mas apenas o próprio ex-governador.

Segundo a PF, Puccinelli era o “principal beneficiário e garantidor do esquema que tinha operadores, com funções definidas, várias empresas envolvidas no recebimento de vantagens e no pagamento de propinas”.

Puccinelli o filho dele André Puccinelli Júnior e os advogados Jodascil Gonçalves Lopes e João Paulo Calves estão presos em decorrência da operação. No início da noite desta terça-feira, eles foram levados para presídios da Capital. O advogado de Puccinelli e Júnior, Renê Siufi, informou que tentará um habeas corpus.

Veja Também

Bolsonaro entrega proposta para reforma da Previdência
Câmara quer Corregedoria atuante na Assembleia
Deputado pede investigação sobre furto de gado
Deputado propõe criação de frentes em defesa da criança e da mulher
Fake news são empecilho para vacinação contra HPV
Horário estendido nas unidades de saúde será debatido na Câmara
Trabalhador pode ter de contribuir por 49 anos, alerta senador
Nelsinho é escolhido coordenador da bancada de MS
Gustavo Bebianno é exonerado do governo Bolsonaro
STF nega recurso e Bernal segue inelegível