Campo Grande •22 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Governo - Refis

Agência Brasil | Segunda, 11 de Setembro de 2017 - 20h48Defesa de Joesley e Saud pedirá que prisão temporária seja revogadaAdvogado dos executivos entrará com um pedido de revogação da prisão temporária

(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, que assumiu a defesa dos executivos da J&F Joesley Batista e Ricardo Saud, classificou de "desleal" o pedido de prisão temporária de seus clientes feito pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, e autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo Kakay, os dois estão à disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos e não deixarão “nenhuma dúvida” de que a prisão temporária, que se iniciou ontem, é “desnecessária e injusta”. Amanhã (12), a defesa dos executivos entrará com um pedido de revogação da prisão temporária.

Após terem os benefícios do acordo de delação premiada que firmaram com o Ministério Público suspensos, Joesley e Saud se entregaram à Polícia Federal em São Paulo nesse domingo e foram encaminhados na tarde de hoje (11) à sede da Superintendência do órgão, em Brasília.

De acordo com Kakay, os executivos entregaram todos os documentos e áudios de que dispunham, inclusive a gravação de uma conversa com o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. As menções a ele e a ministros do STF vieram a público há uma semana, quando Rodrigo Janot revelou ter encontrado um áudio de quatro horas nas quais Joesley e Saud combinam a omissão de informações durante o acordo de delação.

“Ele [Joesley Batista] deu o depoimento [na última quinta-feira], respondendo absolutamente a todas as perguntas. Foi colocado para ele pela Procuradoria se poderia entregar determinado áudio. Ele disse que não tinha entregado antes porque a defesa técnica dele disse que esse áudio não tinha importância, mas que ele se dispunha a entregar. E no momento que estava falando à Procuradoria, estava sendo feito o pedido de prisão pelo PGR. Por isso que eu acho que houve uma deslealdade para com ele”, criticou o advogado.

Apesar de crítico dos acordos de delação premiada, Kakay disse que qualquer cidadão tem o “direito de ver preservados” os benefícios que lhe foram concedidos pela colaboração. “O acordo foi considerado a tal ponto importante que ele teve a imunidade. Foi o único que teve a imunidade, e posteriormente [a PGR] retira esse acordo com pedido de prisão. A maioria dos empresários brasileiros que fizeram acordo, quando surgiu alguma dúvida, foi chamado para fazer um recall - oportunidade explicar alguma dúvida. Por que não chamaram o Joesley e o Ricardo para explicar se tivesse alguma dúvida?", questionou.

Kakay disse que houve uma espetacularização do conteúdo dos novos áudios e criticou os termos usados por Janot para anunciar a investigação que levou ao cancelamento dos benefícios da delação aos executivos. Na entrevista em que divulgou a descoberta dos áudios, o procurador-geral disse haver “fatos gravíssimos” envolvendo a PGR e o Supremo nas gravações.

“É uma prisão absolutamente desfundamentada do meu ponto de vista, que só se dá porque o doutor Janot resolveu que teria que tirar a imunidade, porque quando ele deu a imunidade ele foi crucificado por toda a mídia nacional e por toda a população brasileira. Eu não sou advogado da delação e não quero discutir a imunidade. Essa não é minha questão. Após delação, o cidadão que cumpre o que está na delação tem o direito subjetivo de ter os benefícios. E ela só pode ser retirada se for uma coisa grave. Aquele áudio não justifica, inclusive porque ele é anterior à delação", argumentou. Segundo Kakay, a conversa de Joesley com Ricardo Saud ocorreu 20 dias antes do início do acordo com a PGR.

Veja Também
PMDB indica Marun para ministro no governo Temer
Tribunal reduz condenação de Eduardo Cunha na Lava Jato
Desembargador esclarece que não decretou sigilo na Lama Asfáltica
Candidato que prestou serviço eleitoral poderá ter isenção de taxa em concurso
Segóvia defende prerrogativa da PF de fechar delações premiadas
Deputado de MS é cotado para ministro de Temer
Lama Asfáltica terá foco especial, diz chefe da PF
Inscrição de assentamentos no cadastro rural está na pauta da CRA
Projeto de lei restringe saída temporária de presidiários
Estabelecimentos deverão divulgar juros de vendas a prazo e no crédito
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento