Menu
26 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Morte a esclarecer

Corpo de jovem é encontrado

De acordo com a polícia os amigos mentiram sobre o desaparecimento da vítima

12 Ago2019Da redação11h10

O corpo do jovem Wendel Alves da Silva, de 21 anos foi encontrado boiando no rio Taquari, por volta de 06 horas da manhã desta segunda-feira (12), aos fundos da ACIAC (Associação Comercial, Industrial e Agropastoril de Coxim), no centro da cidade.

De acordo com Informaçõe são de que um pescador viu o corpo boiando no rio e o amarrou, em seguida avisou a PMA  (Polícia Militar Ambiental) que em seguida acionou o Corpo de Bombeiros. O corpo estava a aproximadamente 800 metros do local do afogamento.

O corpo do rapaz foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) de Coxim, onde será submetido a um exame necroscópico.

Entenda o caso – Wendel saiu para pescar no início da noite de quarta-feira, na região onde o córrego Fortaleza deságua no rio Taquari, ele estava com dois colegas de trabalho Anderson Damião Franco Silva, de 30 anos e Valderley da Silva, de 35 anos.

Anderson e Valderley concederam entrevista ao Coxim Agora, site da cidade na noite de quinta-feira (08), a respeito do afogamento e desaparecimento do jovem.

Silva e Sampaio foram os últimos a ver Wendel com vida e, segundo eles, o jovem teria possivelmente se enroscado na rede de pesca, se afogado e em seguida desaparecido nas águas do rio Taquari.

Anderson contou que conhecia Wendel há aproximadamente 5 meses, juntamente com Valderley combinaram de pescar utilizando rede na modalidade arrastão, na noite de quarta-feira, no perímetro urbano da cidade, aos fundos de um areeiro.

Por volta de 18h48min de quarta-feira, Valderley buscou Wendel em casa, em seguida, os três foram até a região barra do Fortaleza, onde pegaram um barco e a rede de aproximadamente 60 metros.

De acordo com os depoentes, por não saber nadar, Valderley ficou no barranco as margens do rio, enquanto isso, Wendel pegou uma ponta da rede e foi até o meio do rio, que não estava muito cheio e por isso era possível caminhar com facilidade, já a função de Anderson era segurar a outra ponta da rede.

Segundo Anderson, no momento em que eles estavam passando a rede, ele sentiu um puxão, em seguida, escutou Wendel pedir socorro, apesar de estar bastante escuro, ele foi em direção a Wendel e tentou ajudá-lo, no entanto, o jovem ficou desesperado e passou a puxá-lo para o fundo, sem ter o que fazer, ele apenas evitou se afogar. O jovem se afogou e desapareceu nas águas do rio por volta de 20 horas.

Em choque, Anderson e Valderley pegaram o barco e passaram a realizar buscas pelo rapaz, mas sem sucesso, eles permaneceram no local até meia noite, mas sem sucesso.

Veja Também

Projeto impede cobrança diferenciada de seguros para pessoas com deficiência
Assembleia Legislativa cria três novas frentes parlamentares
Relatório preliminar da reforma da Previdência sai na próxima semana
Bolsonaro diz que incêndios não podem gerar sanções ao Brasil
Ministra defende punição para quem fizer queimada ilegal
Governo estuda enviar Exército para combater queimadas
TRE-MS define data de nova eleição para prefeito e vice de Miranda
Ministro estuda instalação de escritório do Itamaraty em MS
Homem que bate em mulher vai custear gastos
Ministro defende 'cárcere duro' para combate ao PCC