Menu
25 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner FIEMS - Mês da Industria
Despedida

Autoridades e amigos velam ex-governador na Capital

Wilson Martins tinha 100 anos e faleceu na casa onde morava em Campo Grande

13 Fev2018Valdelice Bonifácio e Mariel Coelho, especial para o Diário Digital17h43
Thais Martins acompanha a chegada do corpo do pai ao Centro de Convenções (Foto: Marco Miatelo)
  • Corpo de Wilson Barbosa Martins na chegada ao Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camilo
  • Thais Martins acompanha a chegada do corpo do pai ao Centro de Convenções (Foto: Marco Miatelo)
  • Vice-governadora Roseane Modesto compareceu ao velório (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O corpo do ex-governador de Mato Grosso do Sul Wilson Barbosa Martins está sendo velado no Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo, no Parque dos Poderes, em Campo Grande. Ele faleceu nesta terça-feira, 13 de fevereiro, na residência onde morava, no Centro da Capital. Wilson Martins tinha 100 anos e vinha enfrentando problemas de saúde por conta da idade avançada.

Emocionada, a filha dele Thais Martins fez agradecimentos durante o velório. “Queremos agradecer ao Mato Grosso do Sul e sua gente querida. Em nome dele eu digo, muito obrigada”, disse. O velório deverá ser realizado até a manhã desta quarta-feira, 14 de fevereiro.

Autoridades e amigos de longa data compareceram ao funeral. A vice-governadora Roseane Modesto (PSDB) disse que Wilson Martins representou o desenvolvimento e a construção do Estado. “Hoje viemos trazer nossa solidariedade e gratidão pelos 100 anos que Deus proporcionou a ele. Por onde passou, ele deixou uma semente. Hoje todos nós colhemos esse fruto”, mencionou.

Para ela, o ex-governador deve ser lembrado como um “homem íntegro e honesto” e um “exemplo para toda classe política.” O governo do Estado, aliás, decretou luto oficial de três dias em razão do falecimento de Wilson Martins. A prefeitura e a Câmara Municipal também tomaram a mesma iniciativa.

Amigo do ex-governador há mais de 40 anos, José Maia Costa trabalhou na primeira campanha de Wilson Martins. “Ele era uma pessoa muito correta, séria e que vai fazer muita falta para os amigos”, afirmou.

Wilson Barbosa Martins governou MS por duas vezes, sendo a primeira de 1983 a 1986, quando sagraou-se o primeiro governador eleito do Estado. A segunda foi de 1995 a 1998. Wilson foi ainda senador da República, deputado federal e prefeito de Campo Grande. Advogado, foi o primeiro presidente da OAB-MS.

Wilson foi casado por quase 60 anos com a artista plástica Nelly Martins que faleceu em 2003, com quem teve três filhos Thais, Nelson e Celina, ex-deputada estadual também já falecida. Ele deixa ainda oito netos e nove bisnetos.

O sepultamento está previsto para às 10 horas desta quarta-feira, 14 de fevereiro, no cemitério Parque das Primaveras, no Jardim Parati, na Capital.

Veja Também

Simone comemora destinação de 30% do fundo eleitoral para mulheres
TSE define quanto cada partido receberá de fundo eleitoral
Reoneração é aprovada com erro e projeto será ajustado, diz Marun
Justiça determina prisão imediata de ex-governador de MG
Moka assume relatoria do Orçamento
Brasil é preparado para não crescer, diz Aldo Rebelo
Corrupção Mais um pacote de medidas contra a corrupção será lançado Para tentar diminuir este tipo de crime pacote será lançado em junho
Pré-candidato à presidência visita Capital nesta segunda
Mundo Este domingo, 20, é dia de Venezuelanos irem às urnas Mais de 20 milhões de pessoas dever votar no país vizinho