Campo Grande •16 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner ALMS - Materiais Campanha Gestão para Pessoas Sustentação

Da redação | Quinta, 3 de Agosto de 2017 - 19h19Comunidade quilombola pede apoio para manutenção de Decreto da UniãoSupremo julgará decreto que regulamentou a titulação de terras quilombolas

Cilso Ramão Barros dos Santos, ocupou a tribuna na Assembleia Legislativa
Cilso Ramão Barros dos Santos, ocupou a tribuna na Assembleia Legislativa (Foto: Victor Chileno/Assembleia Legislativa)

O presidente da Associação Furnas da Boa Sorte, no Município de Corguinho, em Mato Grosso do Sul, Cilso Ramão Barros dos Santos, ocupou a tribuna nesta manhã (3/8), para falar sobre a Demarcação e Titulação das Terras remanescentes das Comunidades dos Quilombos. O uso da palavra foi solicitado pelo deputado João Grandão (PT), líder do partido na Assembleia Legislativa.

“Quero o apoio desta Casa de Leis, pois no Brasil há 24 comunidades negras quilombolas que estão apenas buscando o sonho e o direito de trabalharem e produzirem, plantarem, colherem e venderem no território em que vivem. Estamos todos assustados com a votação da Adi 3239, no dia 16 de agosto”, relatou Cilso Ramão.

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma agora no dia 16 de agosto o julgamento de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adi) 3239, que questiona a constitucionalidade do Decreto 4887, que regulamentou a titulação de terras quilombolas. A ação pede a derrubada do Decreto.

Cilso Santos ressaltou o sofrimento dos quilombolas no decorrer da história. “Muitos morreram lutando nos quilombos, e esta titulação de terra que estamos esperando aqui em Mato Grosso do Sul representa menos de 1% das terras existentes. Esta terra é sempre negada à comunidade negra quilombola. É uma vergonha para o nosso Brasil essa situação, desabafou.

O presidente da Associação Furnas da Boa Sorte também mencionou a Campanha “O Brasil é Quilombola, Nenhum quilombo a menos!”, lançada no dia 28 de julho pela Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq). O objetivo é pedir que o STF mantenha a titulação de territórios quilombolas no Brasil. 

O deputado estadual João Grandão explicou que não há prejuízo para o Estado em manter a titulação das terras. “Não há a menor possibilidade de afetar o latifúndio, pois a terra que eles necessitam ocupa menos de 0,004% do território. Se essa Adi for acatada, parte da história do Brasil acaba”, declarou.

O deputado Amarildo Cruz (PT), 2º secretário da Assembleia Legislativa, demonstrou solidariedade à comunidade quilombola. “A questão de vocês é muito importante e o Supremo deve analisar no dia 16 de agosto. Espero que eles sejam favoráveis aos quilombolas, pois é desumano questionar se é legítima a titularidade das terras dos quilombos”, considerou Amarildo Cruz.

Veja Também
Fábio Trad aguarda convocação para retornar à Câmara
Marun assume Secretaria e abre mão de reeleição
Edição explicada da Constituição do Estado é lançada na Capital
Ministro diz ter convicção de que Reforma da Previdência será aprovada
Calçadão do Estrela do Sul será inaugurado neste sábado
Senador de MS vai relatar Reforma do Código Comercial
Posse de Marun acontece nesta tarde em Brasília
Sexta, 15 de Dezembro de 2017 - 08h11Votação de base curricular para a educação básica será retomada hoje Proposta foi debatida na semana passada pelo conselho, mas a votação foi adiada
Pacotão de Reinaldo é aprovado na Assembleia
Senado aprova critérios de isenção de ISS sobre exportação de serviços
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento