Menu
15 de agosto de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Expo MS
Fronteira

Isenção tributária oferecida pelo Paraguai será avaliada por comissão

Para senador, sistema de isenção pode prejudicar os estados de MS, RS, SC, PR e até SP

13 Fev2018Agência Senado16h59

O Plenário do Senado aprovou a formação de uma comissão externa para avaliar o sistema de isenção tributária adotado pelo Paraguai. O pedido para criar o grupo de trabalho partiu do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), que chama atenção para o grande número de empresas brasileiras migrando para o país vizinho.

A intenção do senador é visitar a Zona Franca de Maquila, que tem atraído os empresários brasileiros com tributações mais baixas. Segundo ele, é um movimento que não vai atingir somente a Zona Franca de Manaus, mas outros estados, como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul e até São Paulo.

- São grandes empresas que estão em um movimento coordenado, sistêmico e indo para uma zona de isenção fiscal que produz 100% para exportar para o mercado doméstico brasileiro - afirmou, ao pedir apoio para aprovação do requerimento.

O chamado regime de Maquila  foi criado por lei pelo governo paraguaio para incentivar a industrialização no país. A lei estabelece isenção de impostos para que as empresas importem máquinas e matérias-primas, desde que o produto final seja destinado à exportação. As exportações dessas empresas são taxadas com um único tributo de 1% sobre o valor agregado em território paraguaio quando a mercadoria sai do país.

A comissão externa terá seis integrantes e vai funcionar por seis meses. Os senadores pretender ainda realizar audiências e reuniões com organismos internacionais.

Veja Também

PT registra candidatura de Lula à presidência da República
Odilon ataca desistência de Chaves: “covarde”
Junior Mochi concorrerá ao governo pelo MDB
Juiz vistoria Aquário antes de julgar superfaturamento
Harfouche volta a ser candidato ao Senado
Após desmarcar ato no TRE, Odilon assina documentos no escritório
TRF3 nega reconsideração e mantém Puccinelli preso
Ex-aliados de Simone negociam apoio a Odilon e Reinaldo
Simone desiste da disputa pelo governo
Impacto do reajuste aprovado pelo STF poderá chegar a 4,5 bilhões nas contas públicas