Menu
22 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Política

Com renovação de 40%, Câmara Municipal de São Paulo terá mais mulheres

Grande parte desse resultado se deve à eleição do ex-senador Eduardo Suplicy

3 Out2016Da agência Brasil13h20

A Câmara Municipal de São Paulo teve um índice de renovação de 40%, com 22 novos vereadores eleitos na votação de ontem (2). A coligação do prefeito eleito, João Doria, conquistou 25 das 55 cadeiras, se tornando a maior bancada da Casa – 45% do total, com sete partidos representados.

Apesar de ter perdido a prefeitura paulistana e encolhido nacionalmente, o PT perdeu apenas um vereador, caindo de nove para oito representantes a partir de 2017. Grande parte desse resultado se deve à eleição do ex-senador Eduardo Suplicy, que se tornou o vereador mais votado do país, com 301,4 mil dos 5,3 milhões de votos válidos computados ontem na capital paulista.

O PSDB, partido de Dotia, será o maior da Câmara Municipal, com 11 vereadores. PSD, PR, PRB e  DEM terão quatro representantes cada um. Um dos eleitos pelo DEM foi Fernando Holiday, representante do Movimento Brasil Livre, responsável por organizar protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff.

Mais mulheres - O PSB terá três vereadores e o PMDB e o PTB, dois cada um. O PSOL, que tinha apenas um vereador, Toninho Véspoli (reeleito), a partir do ano que vem terá o reforço de Sâmia Bonfim. Com plataforma feminista, ela foi uma das 11 mulheres eleitas para a próxima legislatura, ampliando a participação das vereadoras na composição do legislativo municipal. Antes, apenas cinco mulheres exerciam mandatos na Casa.

Primeiro turno - Em um feito inédito desde que o segundo turno foi instituído nas eleições municipais, em 1992, João Doria foi eleito no primeiro turno na capital paulista, com mais de 3 milhões de votos (53,2% dos votos válidos). O segundo colocado, o atual prefeito Fernando Haddad (PT) teve 967,1 mil votos, somando 16,7% do total de votos válidos.

Na capital paulista, 78,1% dos aptos a votar compareceram ao pleito, totalizando 6,9 milhões de eleitores. Desses, 16,7% optaram por não escolher entre nenhum dos 11 candidatos a prefeitura e votaram em branco ou anularam.

A derrota de Haddad acompanha uma tendência nacional. Ao contrário das eleições municipais de 2012, neste ano o PT não conseguiu equilibrar a disputa com o PSDB nas capitais do país. Entre os candidatos petistas nas capitais, apenas Marcus Alexandre conseguiu se reeleger em primeiro turno, em Rio Branco (AC). No Recife, o petista João Paulo conseguiu ir para o segundo turno.

Ao todo, oito capitais tiveram as eleições definidas em primeiro turno. Além de PT, PSDB e PMDB, também já elegeram prefeitos PDT, com Carlos Eduardo em Natal (RN); PSB, com Carlos Amastha em Palmas (TO); DEM, com ACM Neto em Salvador (BA); e PSD, com Luciano Cartaxo em João Pessoa (PB).

Veja Também

Comissão da Assembleia recebe relatórios de gestão fiscal dos Poderes
PMA multa pescadores presos pela Polícia Civil por pesca predatória
MPF cobra R$ 22 milhões de Puccinelli e ex-secretários
LDO terá audiência pública dia 27
Cadastro biométrico não é obrigatório no interior para eleições 2018, diz TRE-MS
Servidor público terá falta abonada para ir à reunião escolar
TCE-MS encaminha projeto de reajuste salarial à Assembleia
Vereadores da Capital propõem parcelar imposto em até 12x
Aprovados em concurso da Agepen pedem apoio por convocação
Segunda instância rejeita último recurso de Lula no caso do triplex