Menu
21 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Eleições 2016

Cestas básicas seriam usadas para compra de votos; dois são presos

Policiais do DOF prenderam dois por corrupção eleitoral em Porto Murtinho

2 Out2016Da redação14h39

Policiais do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) que integram a “Operação Eleições na Fronteira 2016”, em apoio à Justiça Eleitoral,  realizaram a prisão de Milton Braz Lopes (37) e Ronaldo Souza Vera de Oliveira (25), ambos moradores da cidade de Bela Vista (MS), por corrupção eleitoral.

O fato se ocorreu na sexta-feira passada (30), após requisição da Promotoria de Justiça do município de Porto Murtinho, que recebeu a denúncia de compra de votos com cestas básicas. Logo depois, os agentes do DOF realizaram diversas buscas pela cidade, que resultou na abordagem de um caminhão baú, que estava conduzido por Milton e tinha como ajudante Ronaldo.

Durante vistoria ao veículo os policiais localizaram 45 cestas básicas que seriam, segundo a denúncia, usadas na compra de votos na periferia do município. Os autores foram interrogados pela Promotoria e pelo Juiz Eleitoral da comarca, sendo dada a voz de prisão por crime de corrupção eleitoral, art 299 do Código Eleitoral.

Foi o primeiro caso de crime eleitoral atendido pelo DOF, durante a operação que começou na quinta-feira (29) e segue até terça-feira (04). Os autores foram encaminhados para delegacia de Polícia de Porto Murtinho.

(Com informações do DOF e Governo de MS)

Veja Também

MPF cobra R$ 22 milhões de Puccinelli e ex-secretários
LDO terá audiência pública dia 27
Cadastro biométrico não é obrigatório no interior para eleições 2018, diz TRE-MS
Servidor público terá falta abonada para ir à reunião escolar
TCE-MS encaminha projeto de reajuste salarial à Assembleia
Vereadores da Capital propõem parcelar imposto em até 12x
Aprovados em concurso da Agepen pedem apoio por convocação
Segunda instância rejeita último recurso de Lula no caso do triplex
STF aceita denúncia contra Aécio por corrupção e obstrução de Justiça
Vereadora promete provar que trocou de partido por justa causa