Menu
19 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Política

Campanha estimula candidato a prefeito a ter compromisso com a primeira infância

Ao aderir a agenda, o candidato se compromete, a ofertar educação infantil de qualidade, dar prioridade no acesso a creches para famílias em situação de vulnerabilidade, entre outras coisas.

12 Out2016Da redação com Agência Brasil13h44

A importância da educação para crianças até seis anos, a chamada primeira infância, é tema da campanha Agenda Prioritária para a Primeira Infância: Qualidade e Equidade nas Políticas Públicas, na internet. A iniciativa é voltada aos candidatos a prefeitos nas eleições municipais deste ano. No primeiro turno, 290 candidatos a prefeitos fizeram adesão ao programa.

Ao aderir a agenda, o candidato se compromete, por exemplo, a ofertar educação infantil de qualidade, dar prioridade no acesso a creches para famílias em situação de vulnerabilidade; garantir espaços para o brincar e a formar profissionais que lidam crianças nessa faixa etária.

Na página Compromissos de Governo, os candidatos ao segundo turno ainda podem registrar e tornar público o compromisso de sua candidatura com a agenda. Para além do compromisso público, os candidatos podem incluir as ações na proposta de governo a ser registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“É muito importante termos esses 290 candidatos que formalizaram sua preocupação com a primeira infância e já é um ganho ter estimulado esse debate durante as eleições municipais”, disse o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Alessio Costa Lima. “Nosso desejo é justamente impactar o momento de debate para que o tema viesse a tona”.

A proposta está estruturada em sete ações estratégicas, que se subdividem em um conjunto de sugestões de atividades, além de pressupostos orientadores da formulação e implementação de políticas públicas para a primeira infância. Eleitos, os candidatos deverão elaborar um plano municipal pela primeira infância; instituir e garantir o funcionamento do comitê municipal intersetorial de coordenação das políticas para a primeira infância; ampliar e qualificar os serviços socioassistenciais e fortalecer a atenção básica, com foco na estratégia saúde da família.

“Pesquisas no mundo inteiro vem revelando o desenvolvimento do cérebro da criança nos primeiros anos de vida. É nessa fase que acontece o maior desenvolvimento do cérebro da criança até os 3 anos. Neste período é importante, por exemplo, o cuidado com a criança ao alto nível de estresse. O que acontece nessa etapa da vida, vai influenciar o desenvolvimento da criança para o resto da vida. Quando ela recebe as devidas estimulações, o cérebro desenvolve muito mais e as chances dela obter sucesso são bem maiores”, explica Lima.

A agenda foi elaborada conjuntamente por um grupo formado por representantes de institutos, fundações, entidades e movimentos e por especialistas das áreas de educação, saúde e assistência social, entre os quais os ministérios da Educação (MEC) e do Desenvolvimento Social e Agrário, a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Primeira Infância

A primeira infância é a fase do desenvolvimento que vai do nascimento até os 6 anos. O Núcleo Ciência pela Infância diz, na publicação Impacto do Desenvolvimento na Primeira Infância Sobre a Aprendizagem, que esse período é crucial para a criança, porque é nele que ocorrem o desenvolvimento de estruturas e circuitos cerebrais e a aquisição de capacidades fundamentais que permitirão o avanço de habilidades mais complexas.

Durante essa etapa da vida ocorrem o crescimento físico, o amadurecimento do cérebro, a aquisição dos movimentos, o desenvolvimento da capacidade de aprendizado, a iniciação social e afetiva, entre outros. Cada um desses aspectos é interligado aos demais e influenciado pela realidade na qual a criança vive.

Levantamento das Organizações das Nações Unidas (ONU) aponta que um dólar investido em alimentação e programas pré-escolares traz retornos entre US$ 6 e US$ 17 para a economia. Além disso, estudos recentes nas áreas de neurociência e economia mostram que as experiências da primeira infância têm um impacto profundo no desenvolvimento do cérebro, na aprendizagem, na saúde e na renda. As crianças que são mal nutridas ou não recebem estimulação precoce estão suscetíveis a aprender menos na escola e a ter menores salários quando adultas.

Veja Também

Câmara quer pressa em apreciar alterações
Reservista do serviço militar poderá atuar como policial voluntário
Biometria para deputados é implementada na Assembleia
ex-governador Cabral vira réu pela 24ª vez
Verba para UBS não sai e abre divergência política
Simone elogia retomada das obras de fábrica de fertilizantes em MS
Educação Ações podem acabar com cursos EaD na área da saúde em MS Medidas foram decididas em audiência pública da assembleia
Eleições 2018 Eleição sem dinheiro de empresários Pela 1ª vez, campanha eleitoral não terá financiamento de empresas
PF pede quebra de sigilo telefônico de Temer e ministros
Senadora de MS sugere Comissão sobre Segurança Pública