Menu
13 de novembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner - AL/MS - Campanha Mudanças
Nacional

Bolsonaro segue na UTI sem previsão de alta, diz boletim

Hospital informa que ele recebe analgésicos para dor e não tem febre

13 Set2018Agência Brasil19h56

O candidato à Presidência da República pelo PSL Jair Bolsonaro está recebendo analgésicos para controlar a dor, após cirurgia realizada ontem à noite para tratar uma aderência que obstruiu o intestino delgado. Ele continua internado na Unidade de Terapia Intensiva sem previsão de alta, segundo o mais recente boletim médico divulgado nesta quinta-feira (13) pelo Hospital Albert Einstein, onde está internado desde o último sábado (7).

Ele não apresentou sangramentos nem outras complicações decorrentes da cirurgia e está em jejum oral, com alimentação exclusivamente endovenosa. Apesar do procedimento, a avaliação médica é de que Bolsonaro tem evolução clínica estável, permanece sem febre, sem sinais de infecção e com função renal normal. Por ordem médica, as visitas estão restritas a pessoas autorizadas pela família.

Histórico - No último dia 6, o candidato a presidente levou uma facada na região abdominal durante atividade de campanha nas ruas de Juiz de Fora (MG). Ele foi atendido pela Santa Casa da cidade onde passou por cirurgia. Na sexta-feira (7), o candidato foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, a pedido da família.

 

Veja Também

Operação policial nacional movimenta a Capital
Mandetta é cotado para ser ministro da Saúde, diz Bolsonaro
Ministro da Educação representa Temer e autoriza reforma de escola
Estrutura do Ministério da Agricultura será definida nesta semana
Bolsonaro nega proposta de alíquota de 22% para a Previdência
Senador eleito quer mudar divisão de recursos com estados e municípios
Deputados elogiam escolha de Tereza Cristina para Ministério da Agricultura
Após prisões de deputados, MPF diz que Assembleia era 'propinolândia'
Mais votado quer cargo na Mesa Diretora
Tereza Cristina somará muito para o agronegócio, diz presidente da Aprosoja/MS