Menu
26 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Piauí

Bolsonaro inaugura escola com seu nome

É a terceira vez em um mês que o presidente viaja ao Nordeste

14 Ago2019Agência Estado18h26

O presidente Jair Bolsonaro viaja nesta quarta-feira (14) ao Piauí pela primeira vez desde que foi eleito para participar da inauguração de uma escola militar batizada com o seu nome em Parnaíba (PI).

Esta é a terceira vez em um mês que Bolsonaro viaja ao Nordeste. Nas últimas semanas, ele esteve em Vitória da Conquista e Sobradinho, na Bahia. As idas ocorrem após o presidente ter chamado governadores nordestinos de "paraíba".

PUBLICIDADE

Ele fará a visita acompanhado do prefeito da cidade, Francisco de Moraes Souza, o Mão Santa, primeiro governador cassado do país por acusações de corrupção.


Durante a viagem ao Piauí, também está prevista a participação de Bolsonaro na inauguração de uma avenida com o nome do ex-presidente João Figueiredo, que governou o Brasil durante a ditadura militar (1979-1985).
A visita inclui, ainda, um sobrevoo na região das obras do projeto de agricultura irrigada dos Tabuleiros Litorâneos.

Em junho, Mão Santa esteve em Brasília para pedir o apoio de Bolsonaro e mais recursos ao projeto.

Os dois são aliados desde o período de pré-campanha eleitoral, em 2017, quando Mão Santa foi cotado como vice na chapa de Bolsonaro.

Na época, o então deputado chamou a sua relação com Mão Santa de "namoro hétero", como costuma se referir aos principais aliados.

A escola erguida pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) foi alvo de críticas de oposicionistas no Piauí por ser batizada com o nome de uma autoridade viva. O nome será Escola Presidente Jair Messias Bolsonaro, segundo a assessoria de imprensa do Sesc no Piauí. 

De acordo com a Lei 6.454, de 24 de outubro de 1977, "é proibido, em todo o território nacional, atribuir nome de pessoa viva a bem público, de qualquer natureza, pertencente à União ou às pessoas jurídicas da Administração indireta".

O presidente do conselho regional do Sesc-PI, Valdeci Cavalcante, defende que o Sesc, assim como a Fecomércio, faz parte do setor privado, portanto não se enquadra na regra. "Como pessoa do direito privado, pode homenagear qualquer pessoa", justificou Cavalcante.

Além de ministros do governo, senadores como Ciro Nogueira (PP-PI) e Elmano Férrer (Podemos-PI) vão acompanhar a visita presidencial ao Estado nesta quarta-feira. 

Veja Também

Projeto impede cobrança diferenciada de seguros para pessoas com deficiência
Assembleia Legislativa cria três novas frentes parlamentares
Relatório preliminar da reforma da Previdência sai na próxima semana
Bolsonaro diz que incêndios não podem gerar sanções ao Brasil
Ministra defende punição para quem fizer queimada ilegal
Governo estuda enviar Exército para combater queimadas
TRE-MS define data de nova eleição para prefeito e vice de Miranda
Ministro estuda instalação de escritório do Itamaraty em MS
Homem que bate em mulher vai custear gastos
Ministro defende 'cárcere duro' para combate ao PCC