Campo Grande •22 de Maio de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Corrida de Outono patrocinadores

Valdelice Bonifácio | Terça, 3 de Janeiro de 2017 - 21h00Bernal nega ter deixado dívida de água e energia elétricaEx-prefeito rebate afirmações de Marquinhos Trad e equipe

Bernal explica que prefeitura está recebendo muito dinheiro neste início de 2017
Bernal explica que prefeitura está recebendo muito dinheiro neste início de 2017 (Foto: Roberto Okamura)

O ex-prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP) negou as afirmações feitas pelo atual prefeito Marquinhos Trad (PSD) segundo as quais sua gestão teria deixado uma dívida no valor de R$ 12 milhões com as concessionárias Energisa e Águas Guariroba. Marquinhos disse que só não houve interrupção no fornecimento de água e energia ao Paço Municipal e outros prédios públicos porque ele pediu às empresas que aguardassem.

“Isso sequer faz sentido. Se as contas tivessem ficado seis meses sem pagar, a água e a energia elétrica teriam sido cortadas. Isso não aconteceu. Não existe essa dívida”, informou o ex-prefeito em entrevista ao Diário Digital.

Bernal explicou que em relação à Energisa existe um impasse judicial. Isso porque uma lei municipal suspendeu a cobrança da taxa de Contribuição de Iluminação Pública (Cosip). A gestão dele questionou a lei na Justiça. O dinheiro referente a Cosip era repassado todos os meses para a prefeitura e dele abatido o valor da iluminação pública.

Nestes seis meses de vigor da lei, a prefeitura não recebeu a Cosip e nem a Energisa recebeu pela iluminação pública. No entanto, segundo Bernal, a situação não gerou acúmulo de dívida, mas sim um impasse, porque a prefeitura brigava na Justiça para derrubar a lei e novamente passar a obter o dinheiro da Cosip.

O restante das faturas, na gestão Bernal, eram pagas normalmente à Energisa. A vigência da lei vai até 25 de janeiro de 2017, quando a taxa poderá novamente ser cobrada na conta de energia elétrica dos consumidores e repassada aos cofres municipais.

Sobre a Águas, Bernal assegura que nunca deixou de pagar a concessionária.  Também no caso da Águas restou um impasse judicial referente ao chorume do aterro sanitário de Campo Grande. Porém, trata-se de valor pequeno. Na ação judicial, a prefeitura alega que quem deve pagar a Águas é a Solurb, responsável pelo aterro sanitário e não o município.

Dívida ativa - Além de reclamar da suposta dívida de água e energia, Marquinhos reclamou também da postura da gestão anterior em relação à dívida ativa (créditos a receber) da Capital. Para ele, não houve um esforço em recuperar este dinheiro para os cofres municipais. O valor em questão seria de cerca de R$ 2 bilhões.

Já Bernal que teve a gestão interrompida por um ano e cinco meses em cassação considerada fraudulenta pelo Ministério Público Estadual (MPE) afirma que fez tudo o que pôde. “Criei programas de recuperação de débitos e de conciliação com os contribuintes. Fiz tudo o que estava ao meu alcance, o que me faltou foi tempo. Eu não tive um mandato completo”, mencionou.

O programa de conciliação, segundo Bernal, recuperou mais de R$ 20 milhões em dívidas antigas. Bernal apoiou Marquinhos em segundo turno, mas afirma que não está magoado por conta das críticas de seu sucessor.

Dinheiro novo – Diferente do relato feito pela equipe de Marquinhos, Bernal aponta que a prefeitura está recebendo muito dinheiro neste início de ano. “No dia 30 de dezembro, entraram mais de R$ 8 milhões da repatriação. Chegaram ainda mais R$ 5 milhões do FPM e ICMS, R$ 50 milhões de IPVA, fora o dinheiro do IPTU que garantirá R$ 179 milhões. Haverá ainda o dinheiro dos depósitos judiciais, no valor de R$ 30 milhões”, disse o ex-prefeito.

Ele menciona também os depósitos judiciais do impasse com a Solurb, que chegam a R$ 120 milhões. “É um dinheiro que está indevidamente com a empresa. Ela deve à prefeitura”, afirma.

Senado – Longe da prefeitura, Bernal já mantem contato com lideranças políticas sobre as eleições de 2018. Ele afirma que correligionários e apoiadores o incentivam a concorrer ao Senado, ideia que o agrada, mas ele ainda não decidiu qual cargo disputará. O certo apenas é que concorrerá nas próximas eleições.

Em 2014, Bernal já disputou o Senado. Na ocasião, ele obteve 204.262 votos válidos, o que representou 16,78%, ficando na terceira colocação da disputa vencida por Simone Tebet (PMDB).

Veja Também
Servidores pedem investigação sobre verba do MSPrev
Crise pode atrasar reforma da Previdência, diz Meirelles
Cintra diz que nota fiscal citada em delação é verdadeira
Guias e notas emitidas pela JBS comprovam relação comercial legal, diz secretário
Vereador pede investigação sobre denuncias da JBS em MS
Temer reúne ministros e base aliada e pede que Congresso trabalhe normalmente
Delcídio frente a frente com Moro
Conselho da OAB decide entrar com pedido de impeachment de Temer
Domingo, 21 de Maio de 2017 - 07h40Pezão reúne deputados da base para discutir contrapartidas do Plano Fiscal Lei que trata da recuperação fiscal de estados e municípios foi sancionou sem vetos na última sexta-feira
PSB decide romper com base aliada do governo
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothShop
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento