Menu
19 de outubro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Bancada federal

Bancada pede à União que reveja cortes de verbas

Ministério da Infraestrutura cancelou estudo técnico sobre o custo-benefício da Rota Bioceânica

20 Set2019Da redação14h17

O coordenador da bancada federal de Mato Grosso do Sul, senador Nelsinho Trad (PSD/MS), esteve no Ministério da Infraestrutura para solicitar a revisão de cortes de verbas para o estado. Durante a reunião com o secretário executivo do Ministério, Marcelo Sampaio Cunha filho, o senador Nelsinho Trad destacou a localização estratégica de MS na América do Sul e o grande potencial agropecuário. As senadoras Simone Tebet (MDB/MS) e Soraya Thronicke (PSL/MS) e o deputado federal Dr. Luiz Ovando (PSL/MS) participaram da reunião, que também contou com a presença de representantes de outros deputados federais do estado.

O Ministério de Infraestrutura encaminhou ofício informando o cancelamento de estudo realizado pela Empresa de Planejamento e Logística, para análise de custo-benefício da Rota Bioceânica. A EPL já estava executando a 2º fase do cronograma de estudos, de um total de quatro, ao custo de R$ 770 mil.

“Sabemos das dificuldades financeiras que o Governo Federal atravessa, e estamos apoiando a agenda de desenvolvimento do país, mas esta é uma situação que precisa ser reavaliada. Mato Grosso do Sul não tem investimentos previstos no Projeto de Lei Orçamentária Anual para 2020, muitos recursos para o Estado foram cortados e além de tudo, os estudos de análise de custo-benefício da Rota Bioceânica foram cancelados. Esse estudo é importante para a implantação da Rota, que por sua vez é um projeto prioritário para MS e por isso tem que ser retomado. É como se chegassem ao Rio de Janeiro e falassem que iriam derrubar o Maracanã. Foi frustrante”, afirmou o senador Nelsinho.

Para Simone Tebet, é preciso haver reciprocidade do Governo Federal no sentido de prestigiar o estado, já que a bancada federal está trabalhando pela aprovação de reformas importantes para o país, em apoio à agenda de retomada do crescimento econômico do país.

O deputado federal Dr. Luiz Ovando destacou que a Rota é uma oportunidade muito grande de abrir novos mercados e que este não é um projeto para MS e sim para o Brasil. Soraya Thronicke completou que a abertura econômica terá reflexos positivos para a economia de todo o país.

Após o pronunciamento dos parlamentares, o secretário executivo disse que irá “revisar a questão do cancelamento do estudo” e que dará uma resposta o quanto antes à bancada. “Isso é prioridade”.

A Rota Bioceânica vai ligar os oceanos Atlântico e Pacífico, com início em Porto Murtinho e seguindo até o porto de Antofagasta, no Chile, passando pelo norte do Paraguai e da Argentina. Vai encurtar em 7.200 km marítimos a distância até a Ásia, e a previsão é que assim o preço do frete seja reduzido em 40%. Além disso, a viagem entre Antofagasta e Xangai dura 35 dias, enquanto o mesmo deslocamento, partindo de Santos consome 49 dias. Ou seja, economizam-se 14 dias.

Corte de investimentos em MS - Mato Grosso do Sul tem sofrido muitos cortes de verba por causa da contenção de verbas que o Governo Federal vem fazendo. Os parlamentares sul-mato-grossenses solicitaram que esses cortes sejam revistos. “Gostaria que vejam o potencial do estado com olhar diferenciado, levando em conta as oportunidades econômicas que serão perdidas”, disse o senador Nelsinho Trad.

No início da reunião, o secretário executivo Marcelo Sampaio exibiu uma apresentação elencando os investimentos que o Ministério da Infraestrutura pretende fazer no estado, como as obras da Hidrovia do Rio Paraguai, BR-419/MS entre Rio Verde de Mato Grosso e Aquidauana, e a BR-267/MS, no trecho que engloba os acessos para a ponte que ligará Porto Murtinho a Carmelo Peralta no Paraguai e que efetivará a Rota Bioceânica. No entanto, destacou que pretende contar com as emendas parlamentares para a efetivação das obras.

“Esta reunião é uma oportunidade para ouvir a bancada e também apresentar os projetos que consideramos prioritários para MS, mas gostaríamos do apoio dos parlamentares para a destinação de emendas nestes projetos”.

O diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), general Santos Filho, que também participou da reunião, aproveitou a cobrança e explicou aos parlamentares o porquê do valor destinado pelo órgão para manutenção das rodovias federais ser menor para MS. “Estamos trabalhando com um orçamento seis vezes menor do que o necessário, então analisamos toda a malha viária do Brasil e elencamos prioridades. Fizemos os cálculos a partir do Índice de Conservação da Malha e constatamos que Mato Grosso do Sul só tem 8% das estradas em péssimas condições, enquanto em alguns estados esse percentual chega a 50%. A malha é uma das melhores do país, por isso recebe menos recursos”.

Diante da solicitação dos parlamentares por mais recursos, ficou definido que os técnicos do Ministério vão estudar a reposição de verbas para Mato Grosso do Sul.

Veja Também

Senado entra em semana decisiva para a reforma da Previdência
Plenário poderá votar ampliação do porte e posse de armas
Bolsonaro destaca ações do governo em outubro
Dia das Crianças: Projetos de lei em MS visam garantir direitos fundamentais
MS deve receber mais R$ 70 milhões da partilha dos leilões
Bancada federal de MS definirá na próxima semana as emendas para 2020
PEC  profunda, mas não profana, diz Simone Tebet sobre Previdência
Câmara aprova cobrança gradual de ISS de empresas de ônibus
8ª Zona Eleitoral altera locais de votação para Eleições 2020
Assembleia disciplina uso de cotas para deputados estaduais