Menu
20 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super Banner Campo Grande Expo
Legislativo

Bancada do PT na Assembleia critica condenação e defende Lula

Ex-presidente foi condenado a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sérgio Moro

13 Jul2017Da redação14h37

A condenação, em primeira instância, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão, pelo juiz Sergio Moro, foi veementemente criticada pelos deputados do PT na Assembleia Legislativa. O líder do partido na Casa de Leis, João Grandão, disse que a decisão foi meramente ideológica. "Ficou evidente todo o receio da elite rançosa, homofóbica e racista, que não aceita que um presidente nordestino e sindicalista tenha conduzido o Brasil a avanços sociais e econômicos", afirmou.

O deputado leu uma nota da bancada do partido que qualifica a decisão de Moro como "ataque à democracia e à Constituição Federal". "Trata-se de uma flagrante injustiça e um absurdo jurídico sem precedentes que envergonham o Brasil", relata o texto. Para os parlamentares, Lula é alvo de um processo de perseguição política e a condenação, expedida ontem (12/7), coloca em risco os direitos fundamentais, ao adotar "medidas de exceção" e desconsiderar provas apresentadas pela defesa.

Ainda no documento: "Sem provas, Moro insiste em condenar Lula por um imóvel que não lhe pertence. A decisão não sustenta embasamento jurídico e revela que o ex-presidente Lula é vítima de uma perseguição política e judicial sem precedentes". Os deputados criticaram também, como estratégia para "desviar o foco do país", a divulgação da sentença no mesmo dia da aprovação da reforma trabalhista no Senado Federal. O assunto foi tema de debates na Assembleia Legislativa esta semana (leia aqui).

Para o deputado Amarildo Cruz, a História revelará a dimensão do "estrago" da reforma. "É um modelo que mais escraviza e que faz com que a miséria novamente faça parte da vida de milhares de brasileiros", analisou. Segundo ele, estão "caindo por terra" inúmeras conquistas históricas dos trabalhadores. "Todos os indicadores sociais hoje demonstram o nosso retrocesso e isso é triste". O deputado também rechaçou a sentença para Lula e alertou: "A contribuição do juiz Moro é introduzir no Direito a condenação sem provas, a condenação política e isso é o mais triste", reiterou.

Já o deputado Cabo Almi, relembrou realizações do ex-presidente no comando do país e a liderança como uma das marcas de Lula. "Um líder não morre. Ele entra para a História. É inegável tudo o que ele fez pela população e fico me perguntando quem vai reparar essa situação se um dia ele for inocentado?", questionou. Lula foi condenado na Operação Lava Jato pela ocultação de uma cobertura triplex em Guarujá (SP), mas pode recorrer.

(As informações são da assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa)

Veja Também

Papiros de Lama André Puccinelli e filho estão em presídio Os dois chegaram na van da Polícia Federal ao Complexo Penal da Capital nesta sexta-feira
André Puccinelli e seu filho estão presos
Começam hoje convenções partidárias
Justiça de olho dinheiro dos candidatos
TSE vai fiscalizar uso de dinheiro vivo nas eleições
Fórum de Segurança traz ministros à Capital
Eleitores podem solicitar voto em trânsito a partir desta terça-feira
Tempo para justificar o voto
Produtores rurais de Sidrolândia fazem homenagem a Bolsonaro
Marun nega participação em supostas fraudes no Ministério do Trabalho