Campo Grande •12 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner ALMS - Materiais Campanha Gestão para Pessoas Sustentação

Laureano Secundo | Domingo, 4 de Junho de 2017 - 10h33Ayache, Odilon e Chavez já articulam por candidatura em 2018Enquanto principais lideranças tentam escapar dos processos na Justiça, três principais citados para entrar na disputa já articulam projetos eleitorais

(Foto: Luciano Muta)

As recentes denúncias de corrupção envolvendo os três últimos governadores de Mato Grosso do Sul derrubaram, ao menos em tese, o trio de ferro que poderia rivalizar as eleições para o comando do Executivo estadual no ano que vem. Com isso, nomes “novos” começam a despontar no cenário político de Mato Grosso do Sul, como alternativas aos eleitores. Entre eles estão o médico e presidente da Cassems, Ricardo Ayache (PSB), o senador Pedro Chaves (PSC) e o juiz federal, Odilon de Oliveira, que tem sido sondado por vários partidos.

Enquanto as principais liderança lutam para escapar dos processos na Justiça os três principais citados para entrar na disputa já articulam para montar projetos eleitorais. Ayache assume o comando do PSB, Pedro Chavez já anunciou a intenção de trocar a reeleição para o Senado por uma candidatura ao Governo e Odilon de Oliveira já teve reuniões com o presidenciável Ciro Gomes o que o levaria a assinar ficha de filiação no PDT.

Outro ex-governador, o hoje deputado federal Zeca do PT que já tinha desistido de concorrer ao Governo, é outro que também está as voltas com denuncias e fica constantemente na mira do Ministério Público federal e da Polícia Federal. Após terem sido citados nas delações de diretores do grupo JBS, André Puccinelli (PMDB), Zeca do PT e Reinaldo Azambuja (PSDB) viram reduzidas as possibilidades de confirmação de uma pré-candidatura em 2018.

O ex-governador André Puccinelli, chegou a ser levado pela Polícia Federal para prestar depoimento, usar tornozeleira eletrônica e depender de uma “ação entre amigos” para pagar nada menos que R$ 1 milhão de fiança. Já o tucano ainda terá que responder, até o momento, a nada menos que quatro processos de impeachment e, mais recentemente, denúncias de que membros do primeiro escalão de seu governo cobravam propina para que grandes indústrias pudessem desenvolver as suas atividades no Estado.

 

Veja Também
Número de votos a favor da reforma está crescendo, diz Marun
Domingo, 10 de Dezembro de 2017 - 10h48Temer viaja para Argentina com expectativa de concluir acordo com União Europeia Pontos mais sensíveis das negociações devem ficar de fora do acordo
Marun assumirá Secretaria de Governo
Reforma da Previdência deve ser votada no Senado em fevereiro, diz Temer
Imbassahy deixa Secretaria de Governo; Marun é cotado para o cargo
Sexta, 8 de Dezembro de 2017 - 10h36Câmara aprova aumento de pena para motorista alcoolizado que cometer homicídio Novas regras entrarão em vigor após 120 dias da publicação da futura lei
Petrobras recebe mais R$ 654 milhões da Lava Jato
MPF diz que PMDB do Rio abrigava organização criminosa
Procuradora sugere que corruptos paguem indenização
Reunião na prefeitura visa o fortalecimento da economia
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento