Menu
19 de outubro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Nacional

'Acabou esse assunto', diz Rodrigo Maia sobre retorno da CPMF

Presidente Bolsonaro demitiu o secretário da Receita Federal um dos defensores do retorno da contribuição

16 Set2019Agência Câmara20h02

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o tema do retorno da CPMF não deve voltar a ser discutido pelo Congresso, já que o governo mostrou que não tem mais interesse no tema. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro demitiu o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, um dos defensores do retorno da contribuição.

Maia concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira (16) após participar de evento em São Paulo. Para ele, criar impostos não é o melhor caminho para resolver os problemas fiscais brasileiros.

“Acabou esse assunto, da parte do Congresso sempre foi muito difícil. E da parte do governo, parece que também não tem mais interesse, como não tem interesse do Executivo e do Legislativo, as coisas não aparecem se não existir algum patrocinador da ideia”, afirmou Rodrigo Maia.

Reforma administrativa - Maia destacou que a redução do gasto público deve ser tratada como prioridade no Congresso Nacional. Segundo ele, não adianta apenas simplificar o sistema tributário se não aprovar a reforma administrativa e um novo pacto federativo.

“As pessoas parecem que não compreenderam que vai ter que ter uma reorganização nas despesas públicas. Não há retorno para a sociedade. É um problema estrutural da economia brasileira, de falta de produtividade, de serviços públicos ineficientes e caros e está afastando o capital privado do País”, disse Rodrigo Maia.

CPI da Lava Jato - Maia foi questionado sobre a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar irregularidades da Operação Lava Jato, após as denúncias publicadas pelo site The Intercept Brasil. A oposição afirma que já conseguiu o número de assinaturas suficientes para instalar o colegiado. Rodrigo Maia disse que ainda não analisou o pedido.

“Não vi ainda, tenho que ver o mérito. A CPI tem que ter fato determinado e é isso que precisa ser analisado nas próximas semanas”, ponderou Maia.

Pacote anticrime - Maia também disse que o pacote anticrime deve ser votado ainda neste ano pela Câmara. Segundo ele, a proposta vai ajudar no combate à corrupção e auxiliar a investigação de crimes.

“Não é uma reforma do sistema penitenciário global, uma reforma completa, mas são pontos que vão ajudar o trabalho da investigação do ponto de vista penal ou corrupção”, disse o presidente.

Veja Também

Senado entra em semana decisiva para a reforma da Previdência
Plenário poderá votar ampliação do porte e posse de armas
Bolsonaro destaca ações do governo em outubro
Dia das Crianças: Projetos de lei em MS visam garantir direitos fundamentais
MS deve receber mais R$ 70 milhões da partilha dos leilões
Bancada federal de MS definirá na próxima semana as emendas para 2020
PEC  profunda, mas não profana, diz Simone Tebet sobre Previdência
Câmara aprova cobrança gradual de ISS de empresas de ônibus
8ª Zona Eleitoral altera locais de votação para Eleições 2020
Assembleia disciplina uso de cotas para deputados estaduais