Menu
18 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Campo Grande

Suspeito de envolvimento em morte se apresenta à Polícia

Advogado conta que Robson Lopes dos Anjos ‘apenas deu carona’ ao autor

28 Jun2017Mariel Coelho, em especial para o Diário Digital.18h33
Delegado Jairo Carlos Mendes. (Foto: Marco Miatelo)
  • Advogado Amilton Ferreira de Almeida.
  • Delegado Jairo Carlos Mendes. (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O suspeito de envolvimento na morte de Leandro Moreira da Silva, de 35 anos, assassinado em um bar, no Bairro Mário Covas, em Campo Grande, na sexta-feira passada, 23 de junho, se apresentou à Polícia Civil nesta quarta-feira, 28. Ele estava acompanhado do advogado e nega participação no crime. A versão apresentada é de que apenas deu uma carona para o autor do crime, sem nem mesmo saber que ele estava armado.

Robson Lopes dos Anjos prestou depoimento ao delegado Jairo Carlos Mendes. O advogado dele Amilton Ferreira de Almeida explicou que seu cliente estava na mesma rua onde aconteceu o crime e que após uma discussão com a namorada saiu de casa, onde o autor do crime lhe pediu uma carona.  “Ele me contou que teve uma discussão com a namorada, quando seu sogro disse que chamaria a polícia, ele então pegou seu carro e saiu de casa. O autor do crime que estava na rua lhe pediu um carona”, conta o advogado.

Amilton ainda contou que Robson ao perceber que o autor estava armado se assustou e pediu que ele descesse do seu carro, só que ele deixou a arma dentro do veículo. Robson então jogou a arma em um matagal e abandonou seu carro na casa de um conhecido na Rua Rubi, na Vila Morumbi.

O delegado disse não ser possível adiantar informações sobre o caso e mencionou que a polícia está à procura do autor. “Estamos aguardando o laudo da perícia e também estamos verificando algumas imagens de câmeras de segurança do local”, informou.

Conforme o delegado, Robson tem passagens pela polícia por tráfico de drogas, mas não está em dívida com a Justiça. Ainda de acordo com o delegado, o rapaz está cooperando com as investigações e entregou o revólver calibre 38, que o autor deixou dentro de seu carro. Jairo Carlos não soube informar se ele permaneceria preso ou se seria solto.

Veja Também