Menu
20 de junho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Crime

Quadrilha é presa por roubo de veículos e tráfico

Garras prendeu quatro bandidos e apreendeu 13 veículos, além de 3,6 toneladas de maconha

18 Mai2019Alexander Vieira, especial para o Diário Digital12h33
Delegados João Paulo Sartori e Fábio Peró, do Garras
  • Garras apresentou os quatro bandidos em coletiva na manhã deste sábado
  • Delegados João Paulo Sartori e Fábio Peró, do Garras
  • Caminhonetes foram apreendidas durante as investigações
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Uma quadrilha de traficantes e ladrões de caminhonetes foi apresentada neste sábado, 18 de Maio, pelo Garras, em Campo Grande. Além de prender quatro pessoas, os policiais apreenderam 13 veículos, dentro os quais cinco caminhonetes roubadas em outros estados, e 3,6 toneladas de maconha. 

Dois criminosos foram presos na noite de quinta-feira, 16, na BR-262, próximo a Ribas do Rio Pardo, quando voltavam para a Capital com veículos roubados. Os outros dois, que são traficantes, foram em um posto de combustíveis, na saída para Três Lagoas, quando aguardavam os comparsas.

Conforme a polícia, o esquema se baseava no roubo de caminhonetes que chegavam até Campo Grande para serem usadas no transporte de drogas. O delegado João Paulo Sartori explica que os veículos eram levados para região de fronteira, e parte desses automóveis eram utilizados como moeda de troca da droga, e a outra parte para o transporte.

“A abordagem inicial ocorreu na BR-262, perto da cidade de Ribas do Rio Pardo, onde prendemos uma dupla que vinha do Estado de São Paulo trazendo duas caminhonetes que eram produto de roubo”, detalhou.

Duas dessas caminhonetes iam para fronteira, uma voltava com carga de uma tonelada de maconha, e a outra permanecia. Da fronteira, as drogas chegavam ao galpão onde eram armazenadas em caixas de madeiras, e logo em seguida, inseridas em caminhões de carga de soja e milho. As placas dos veículos foram adulteradas para não levantar suspeitas.

A operação - As investigações se estenderam, e na tarde desta sexta-feira (17), o bunquer (conteiner) onde as drogas eram armazenadas foi localizado na Vila América, região urbana de Campo Grande. Ali foram apreendidas as 3,6 toneladas de maconha.

“Nesse galpão eram produzidas caixas de madeira, as quais eram inseridas entorpecentes em seu interior, e posteriormente eram embarcadas em veículos pesados, em caminhões que geralmente transportavam soja ou milho, e remetiam para os mais diversos estados da federação”, completa o delegado.

O Garras iniciou a operação há três meses com foco em tráfico de armas, porém as investigações levaram ao tráfico de drogas. “Os veículos roubados eram de outros estados e vinham para Campo Grande, onde eram preparados com molas reforçadas; a carroceria era armada com sacos de areia para que ficassem no nível, e assim ela descia para a fronteira para ser carregada com a maconha”, explica o delegado Fabio Peró.

Os acusados Gilberto Melo Martins (40), que era sócio do também traficante Sérgio Luiz da Costa (40), ambos de Campo Grande declararam o não envolvimento com o crime. Os outros dois acusados de receptação são Laudimar de Oliveira (42) e Geovane Fernandes Raymundo (26).

O montante acumulado no valor das drogas chegou a mais de R$ 1 milhão de reais.

Veja Também