Menu
17 de fevereiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Campo Grande

Quadrilha de MS enviava droga para outros estados por companhia aérea

Tabletes de maconha eram colocados em caixas de metal soldadas

16 Jan2020Da Redação15h30

Quatro pessoas foram presas por tráfico de drogas e formação para o tráfico, nesta quarta-feira (15), após duas semanas de monitoramento e investigação dos policiais da Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico (Denar), com o apoio da Delegacia de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron). A suspeita é que a quadrilha era responsável por despachar caixas de metal soldadas, com quilos de maconha dentro, por meio de uma companhia aérea para outros estados.

Com os dois homens de 25 e 27 anos e duas mulheres de 31 e 39 anos, a polícia apreendeu 394,06 kg de maconha, no bairro Nova Lima, em Campo Grande. Sendo que 200 kg já estavam acondicionadas em caixas de aço, com destino a Blumenau e Recife por meio de uma companhia aérea.

Os policiais localizaram uma casa que estaria sendo utilizado como ponto de armazenamento de drogas e preparo para o transporte. A equipe identificou um suspeito entrando com uma caixa grande na residência, na rua Padre Antônio franco.

No imóvel estavam os dois homens e as duas mulheres. Eles mantinham vários tabletes de maconha na sala e duas caixas de chapa de ferro com maconha já prontas para o transporte, sendo apreendido também balança de precisão, rolos de plástico filme para embalar a droga.

Eles confessaram que estavam armazenando a droga e que iriam ganhar cerca de R$ 7.000,00 pelo serviço, que incluía também, a função de colocar a droga em caixas ventiladas e soldá-las. Duas caixas já estavam prontas para serem enviadas ao destino.

Os policiais apuraram que o produto seria comercializado pelo valor de R$ 300,00 o quilo, totalizando R$ 118.200,00. Estimativa aponta que no destino final – nordeste, a droga estaria avaliada em R$ 2.500,00 o quilo, totalizando o valor final de R$ 985.000,000 (novecentos e oitenta e cinco mil reais).

Após as apreensões, todos foram conduzidos à Denar.

Veja Também