Menu
22 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Confronto

Indígenas lançam grito de guerra

Após desocupação de fazenda invadida índios convocam outras etnias

2 Ago2019Laureano Secundo06h54

“Convido todos os guerreiros de luta, para que a gente possa mostrar aos ruralistas que o nosso povo tem direito! Se o Governo não o fizer, faremos nem que seja a preço do nosso sangue”.Esta Esta foi a convocação de lideranças através de áudio divulgado em de grupos de Whatsapp. Os  indígenas da região de Aquidauana que estão se mobilizando em apoio ao movimento dos Kinikinauas. Chamam professores, acadêmicos, familiares e funcionários públicos indígenas para a luta. 

Informações obtidas por policiais dão conta de que existe a possibilidade da tentativa de invasão de mais duas fazendas da região, que estão às margens da rodovia. As lideranças indígenas da região estão se mobilizando em apoio ao movimento dos Kinikinauas. Chamam professores, acadêmicos, familiares e funcionários públicos indígenas para a luta. 
A convocação foi feita na noite de ontem horas após horas de negociações com a Polícia Civil e Militar, os quase 100 índios que invadiram a fazenda Água Branca saíram da propriedade no inicio da noite de quinta-feira (1º). A fazenda está localizada na estrada para Taunay, região de Miranda.
Segundo informações confirmadas pela Prefeitura de Aquidauana, era noite ainda quando os índios da etnia Kinikinauas chegaram à fazenda com documentos que diziam comprovar terem direito sob a terra.Na sede da fazenda estava apenas o caseiro e sua esposa, que precisavam deixar o local até às 7 horas da manhã. No áudio, a funcionária demonstra o desespero com a situação.
Primeiramente, 40 policiais iniciaram a negociação. Mas foi necessária uma ordem de retirada, vinda de Brasília às 17h, e o reforço de mais 90 policiais militares, Corpo de Bombeiros e o uso de um helicóptero para eles desapropriarem o local. 

Veja Também