Menu
22 de maio de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Operação Aplique

PF cumpre mandados em Campo Grande

Investigações tiveram início no mês de julho de 2017

23 Abr2019Da redação07h02

A Polícia Federal (PF), em investigação conduzida na Superintendência de Polícia Federal em São Paulo, deflagrou na manhã de hoje, 23/04, nas cidades de São Paulo/SP e Campo Grande/MS, a operação Aplique, desarticulando organização criminosa (Orcrim) especializada na prática de tráfico ilícito de entorpecente e lavagem de dinheiro.

A PF cumpre 14 (quatorze) mandados de busca e apreensão e 1 (um) mandado de prisão preventiva, expedidos pela Justiça Federal de São Paulo/SP, em razão de representação penal feita pela Polícia Federal. 

A investigação começou em julho de 2017 com o monitoramento de tráfico de entorpecente realizado por meio aéreo (helicóptero). Aguardando o pouso da aeronave na cidade de São Paulo, a PF surpreendeu F.M.A., M.A.A., E.R., F.M.O. e A.R.S. portando grande quantidade de dinheiro em espécie. Na ocasião o helicóptero abortou o pouso.

A.R.S., no dia seguinte a este fato, na cidade do Guarujá, fora preso por policiais federais da Delegacia de Santos/SP, na posse de 40 (quarenta) kg de Cocaína.

As investigações continuaram e em outubro de 2018, L.F.M.A. foi identificado e preso pela PF como sendo o líder de organização criminosa, comandando tráfico internacional de drogas no Aeroporto Internacional de Guarulhos/SP. Nesta ocasião, aproximadamente 40 (quarenta) kg de cocaína fora apreendida em bagagens com destino à Europa, tendo como “mulas” M.F.M. e J.B.E.S., também presos em flagrante.

Posteriormente, com o intuito de desmantelar financeiramente a Orcrim, trabalho de inteligência policial da PF identificou inúmeras pessoas físicas e jurídicas utilizadas para ocultar e branquear os proveitos financeiros da atividade ilícita do tráfico internacional de drogas, comandada por L.F.M.A.

Apurou-se, ademais, que a movimentação financeira em conta corrente deste grupo estruturalmente ordenado ultrapassou trinta milhões de reais, sendo que a Justiça Federal deferiu pleito da autoridade policial visando sequestro bancário dos valores disponíveis.

O mandado de prisão preventiva, cumprido nesta data, decorrente do delito de lavagem de capitais, foi expedido em desfavor de L.F.M.A., que já se encontrava preso por tráfico de drogas no CDP de Guarulhos.

 

Veja Também