Campo Grande •17 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner 1 Governo do estado - Campanha Mudança educação

Laureano Secundo | Sexta, 28 de Julho de 2017 - 07h36Operação combate fraude de R$ 350 milhõesEfetivo da PF e da Receita Federal busca provas no Mato Grosso do Sul e São Paulo

Carros luxo foram apreendidos durante a operação
Carros luxo foram apreendidos durante a operação (Foto: Divulgação)

Com o objetivo de desarticular organização criminosa envolvida em diversas modalidades criminosas, as quais fraudaram o Fisco em cerca de R$ 350 milhões (trezentos e cinquenta milhões de reais) a Polícia Federal (PF), a Receita Federal do Brasil (RFB) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagraram hoje (sexta, 28/07/2017) a Operação Labirinto de Creta – Fase II. 

Os delitos investigados na Operação Labirinto de Creta – Fase II são sonegação fiscal, organização criminosa, falsidade ideológica, estelionato qualificado, fraudes previdenciárias e lavagem de dinheiro. Na deflagração, estão sendo cumpridos 15 (quinze) Mandados de Busca e Apreensão em residências dos investigados e empresas ligadas e vinculadas à Organização Criminosa, nas cidades de Terenos e Campo Grande, no MS, e São Paulo/SP.

O objetivo da investigação realizada por esta Força Tarefa faz parte de um esforço de combate a Organizações Criminosas que se utilizam de empresas para a sonegação de altos valores, o não pagamento de obrigações previdenciárias e a burla a direitos trabalhistas de empregados. No caso em tela, centrou-se no setor de frigoríficos, mais especificamente um grupo econômico que apresenta faturamentos elevados, porém com ausência ou inexatidões nas escriturações contábeis.

Nesta linha, apurava-se o crédito tributário, porém, não era possível reaver os valores sonegados, haja vista o quadro societário pertencer a pessoas desprovidas de capacidade econômica. Os bens adquiridos, frutos da sonegação fiscal, restavam “blindados” pelos reais proprietários, com a utilização de “laranjas” ou de empresas criadas para este fim.

A primeira fase da operação foi deflagrada em 6/11/2014, tendo como foco outro grupo empresarial, também do ramo frigorífico. Em razão da primeira ação, um empresário do ramo foi condenado a 5 (cinco) anos e 8 (oito) meses de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro. A decisão proferida foi uma das primeiras onde a tipificação penal do crime de sonegação fiscal foi considerado como antecedente ao crime de lavagem dinheiro, fruto de modificação legislativa recente quanto aos delitos antecedentes para a configuração de crime de lavagem de capitais.

 Participam da operação aproximadamente 100 (cem) Policiais Federais, 18 (dezoito) Auditores Fiscais e 14 (catorze) Analistas da Receita Federal do Brasil, sendo que as diligências buscam angariar novas provas para a investigação e apreender bens provenientes adquiridos em proveito das atividades delituosas.

 

Veja Também
Polícia recupera caminhonete de homem encontrado morto em rio
Polícia prende homem que esfaqueou a mãe
Homem é pego em flagrante transportando maconha
Polícia Militar prende foragido com carro roubado
Homem mantinha aves ilegalmente em cativeiro
Motorista abandona veiculo após causar acidente
Acidente na Avenida Gury Marques deixa dois feridos
Jovem é baleado em conveniência na Capital
Fazendeiro é multado por armazenamento ilegal de embalagens de agrotóxicos
Homem é morto após trocar tiros com a polícia e tentar fugir
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento