Campo Grande •18 de Outubro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Rota das Estações - Primavera

Mariel Coelho, em colaboração ao Diário Digital | Quinta, 16 de Março de 2017 - 18h34Polícia Civil faz novo exame em local de abortoAdolescente de 17 anos afirma que agiu sozinha, sem ajuda da mãe ou de terceiros

  
(Foto: Marco Miatelo)

A Polícia Civil esteve na tarde desta quinta-feira, 16 de março, na casa da adolescente de 17 anos, que confessou ter provocado um aborto, tomando de chás, e ainda enterrado o feto no quintal de casa, na Rua Inbirusso, no Bairro Guanandi, em Campo Grande. A garota e a mãe dela também estiveram no local acompanhando os trabalhos policiais.

Conforme a delegada Aline Sinott Lopes, a adolescente estaria grávida de 21 semanas e afirma  ter agido sozinha. Ela teria ficado dois dias em jejum tomando chás abortivos, e na noite de terça-feira (14) começou a sentir fortes contrações e expeliu o feto. A adolescente afirma que estava sozinha em casa. “Ela disse que agiu sozinha, expeliu o feto na terça-feira à noite e na quarta-feira ela enterrou  no quintal de sua casa”, disse a delegada.

No local do crime, estiveram ainda a perícia, o médico legista e o advogado da adolescente. De acordo com Aline Sinott, não foi feita uma reconstituição. “O que aconteceu foi um questionamento com a perícia a cerca de duvidas técnicas, em confronto com as alegações da menina e de sua mãe.”

Aline Sinott diz que a mãe da adolescente alegou que sequer sabia da gravidez da filha. Em depoimento, a mulher foi questionada sobre um áudio de gravação telefônica, na qual fala à  filha que se ela engravidasse compraria Cytorec para a menina tomar e não ter a criança.

A suspeita diz que esse áudio seria de três a quatro meses atrás, e que naquela época a menina estaria fazendo um tratamento para acne e estava tomando medicamento proibidos para mulheres grávidas. A jovem teria testado a mãe  falando sobre gravidez, e gravou a conversa na qual a mulher diz que compraria o remédio.

A denúncia sobre o aborto provocado foi feito pela sogra e o pai da criança. O rapaz de 26 anos teria revelado a existência de mais gravações que confirmariam a participação da mãe. A polícia pediu as gravações, mas ele alegou ter apagado. Foi realizada uma tentativa de recuperação dessas conversas, mas sem êxito. Os celulares foram apreendidos e passaram pela perícia também.

Se for comprovada a participação da mãe da adolescente, ela poderá responder por pratica de aborto, a pena é de até 10 anos de reclusão. Já a adolescente se for a culpada responderá por auto-aborto.

Ela poderá receber medidas sócio-educativas que vão de a advertência à internação que pode ser de até 3 anos. O resultado da perícia sai em 30 dias.

Veja Também
Quarta, 18 de Outubro de 2017 - 11h06Após xingar filhos de vizinha, mulher grávida de 8 meses é agredida Vítima teve lesões e procurou a polícia
Acusado de matar homem a tiros é adolescente de 15 anos
Pai usou revólver calibre 38 para matar filha e se matar em Batayporã
Superlotadas por conta da greve, celas do 1ºDP têm mais que o dobro de sua capacidade para presos
Para fugir da polícia, jovem invade casa e se esconde em banheiro
Quarta, 18 de Outubro de 2017 - 08h45Homem agride e ejacula em cunhada de 11 anos Adolescente precisou ser encaminhada ao hospital local
PMA prende caçadores por abater uma anta
Preso ao violar quatro túmulos de cemitério
Operação flagra furto de energia em rede de lanchonetes
Fazendeiro é multado em R$ 18 mil por exploração ilegal de madeira
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento