Menu
21 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner FIEMS - Mês da Industria
Operação Talpa

PF cumpre mandados em cinco cidades

Campo Grande, Ponta Porã e Naviraí, Coronel Sapucaia e Amambai são as cidades ondes os agentes cumprem os mandados

15 Set2017Elaine Silva - Especial para Diário Digital07h26

Uma operação coordenada pela Delegacia da PF de São José do Rio Preto deflagrada hoje (15) contra o combate ao tráfico interestadual de drogas cumpre mandados de busca e apreensão em Campo Grande, Ponta Porã, Naviaraí, Coronel Sapucaia e Amabai, além dos Estados de São Paulo e Goiais. São cerca de 100 policiais federais para cumprir 26 mandados de prisão e 26 de busca e apreensão.

Por volta das 05h30 uma equipes da Polícia Federal, estavam no bairro Maria Aparecida Pedrossian,  foram em uma casa e segundo vizinhos levaram documentos e um carro. O inquérito policial teve início em agosto de 2015, após a realização de diligências para apurar informações sobre a ocultação de drogas em propriedades rurais na cidade de Catanduva/SP.

A investigação aponta que o grupo agia em Catanduva/SP, Ribeirão Preto/SP, Avanhandava/SP, Goiânia/GO, Campo Grande/MS, Ponta Porã/MS, Coronel Sapucaia/MS, Amambaí/MS e Naviraí/MS. As drogas eram transportadas em automóveis de passeio e caminhões do Estado do Mato Grosso do Sul para a cidade de Catanduva/SP, onde eram armazenadas e posteriormente redistribuídas a outros investigados. Estima-se que a organização criminosa atuava há mais de cinco anos.

 Durante os dois anos de investigação foram realizados trinta flagrantes, com a prisão de 68 pessoas, sendo apreendidas mais de 10 toneladas de drogas.  

Os presos serão encaminhados a estabelecimentos prisionais estaduais, onde ficarão à disposição da Justiça, respondendo, na medida de sua culpabilidade, pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e crime de associação criminosa, cujas penas variam de 3 a 15 anos de reclusão.

Talpa – É o nome dado a operação, é uma espécie de toupeira que também possui o hábito de viver enterrado em tocas, sendo uma alusão ao modus operandi utilizado pelos investigados para a ocultação de drogas.

 

Veja Também