Campo Grande •14 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner ALMS - Materiais Campanha Gestão para Pessoas Sustentação

Valdelice Bonifácio | Quarta, 26 de Julho de 2017 - 18h40Musicista foi morta a marteladas em motel na CapitalVitima foi atraída para encontro amoroso que, na verdade, era uma emboscada

  
Trio acusado pelo crime foi apresenado pelo Polícia Civil nesta quarta-feira; nenhum deles confirmou participação (Foto: Marco Miatelo)
  • Trio acusado pelo crime foi apresenado pelo Polícia Civil nesta quarta-feira; nenhum deles confirmou participação
  • Mayara Amaral tinha 27 anos e foi morta a marteladas em um motel (Foto: Marco Miatelo)
  • Martelo usado para matar a vítima foi recolhido pela polícia (Foto: Marco Miatelo)
  • Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos,  convidou a vítima para encontro amoroso (Foto: Marco Miatelo)
  • Anderson Sanches, 31 anos, negou participação no crime (Foto: Marco Miatelo)
  • Ronaldo da Silva Olmeda, 30, conhecido como Cachorrão (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Reprodução/Facebook)

A jovem musicista Mayara Amaral, 27 anos, foi morta com requintes de crueldade em uma trama premeditada para roubá-la e assassiná-la. Na tarde desta quarta-feira, 26 de julho, a Polícia Civil apresentou três homens envolvidos no crime. São eles: Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, Ronaldo da Silva Olmeda, 30, conhecido como Cachorrão, e Anderson Sanches, 31. Os três serão indiciados por latrocínio (roubo seguido de morte) e ocultação de cadáver.

Os investigadores ainda tentam fechar os detalhes do enredo criminoso. Porém, o que se sabe até agora é que tudo começou através de um contato entre Luis Alberto e Mayara. O rapaz, também músico, alega que teria um relacionamento com a vítima e marcou um encontro com ela no Motel do Gruta do Amor, na saída para Rochedo, na noite de segunda-feira, 24 de julho.

A jovem compareceu acreditando se tratar de um encontro amoroso. Luis convidou também Ronaldo. No motel, os dois teriam mantido relações com a moça, com o consentimento dela, segundo alegaram os acusados.

A polícia suspeita que a jovem reagiu ao descobrir a emboscada e acabou morta dentro do motel. Ela teria sido espancada pelos dois homens que usaram até um martelo para mata-la. O apartamento escolhido foi o último do motel, provavelmente para impedir que testemunhas ouvissem a ação criminosa.

Depois do homicídio, o corpo da moça foi colocado no carro da própria vítima e levado para a casa do terceiro envolvido na trama, Anderson Sanches, amigo da dupla. O endereço não foi revelado pela polícia que ainda apura detalhes do crime.

No local, o trio dividiu os objetos da vítima, um notebook, dinheiro e outros pertences. Cerca de oito horas depois, eles decidiram leva-la para a região do Inferninho, na saída para Rochedo, onde o corpo foi desovado pelos criminosos. O cadáver foi encontrado na tarde desta terça-feira, 25 de julho, parcialmente queimado. “A ideia era ocultar o cadáver e dificultar a identificação da Mayara”, disse o delegado Tiago Macedo, da 5ª Delegacia de Polícia Civil.

Durante apresentação à imprensa. Nenhum dos três admitiu o crime. Luis relatou que conhecia Mayara e que, inclusive, chegou a tocar com ela. Contudo, afirmou não se lembrar do que aconteceu na noite do crime. “Eu estava fora de mim”, declarou Luis. “Nós não temos nada a ver com isso. Quem sabe de tudo é o Luis”, apontou Ronaldo. “Também não sei de nada”, disse Anderson.

Porém, a Polícia Civil tem certeza da participação deles, pois encontrou roupas, pertences e documentos da jovem com eles. Os investigadores chegaram primeiro até Luis através de um aplicativo de telefone celular que permitiu rastrear os últimos passos da vítima. Ronaldo e Anderson foram presos no decorrer das investigações.

Mensagem falsa – Na tentativa de desviar o foco das investigações, Luis usou o telefone celular da vítima para enviar uma mensagem falsa à família dela, após o homicídio. No texto, ela diz à mãe que estaria na casa do namorado, que os dois tinham brigado e que tinha sido ameaçada de morte pelo rapaz. “Luiz manipulou a polícia e a família jogando a culpa em um inocente”, disse o delegado.

O rapaz citado na falsa mensagem seria na verdade um amigo de Mayara e chegou a ser preso durante as investigações.

A polícia recuperou o veículo da vítima, instrumentos musicais, telefone e outros objetos. “A intenção do crime era patrimonial”, define o delegado. Luis não tem passagens pela polícia, mas Ronaldo e Anderson já estiveram presos por crimes como tráfico de drogas e furto.

O crime de latrocínio pode render pena de até 30 anos de prisão e o de ocultação de cadáver três anos.

Veja Também
Quadro de saúde de vítima de tentativa de feminicídio continua sem alterações
Adolescente atingida em tiroteio está na área amarela da Santa Casa
Homem acorda com porta de casa pegando fogo na Capital
Homem é preso por suposta participação na morte de ex-presidente da OAB
Policiais dizem que liberaram jovens após vistoria
Identificado homem executado a tiros no Portal Caiobá
Ex-presidente da OAB é encontrado morto
Homem é executado a tiros no Portal Caiobá
Sucuri é capturada pelos bombeiros na avenida Rio Branco
Quatro são presos por furto e porte ilegal de arma
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento