Menu
10 de abril de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Estelionato

Estelionatária usava perfil falso para vender imóveis em grupo no Facebook

Polícia investiga a participação de mais pessoas no crime

24 Jan2020Ana Lívia Tavares14h39
(Foto: Divulgação)
  • Vítima divulga prints de anúncio e conversas com a suspeita
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)

Uma jovem de 27 anos está sendo acusada de estelionato pela Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. Ela é suspeita de usar perfis falsos em rede sociais para anunciar imóveis com valores abaixo do mercado e solicitar pagamentos de entrada ou adiantamento para fechar negócio. Porém, as vítimas depositavam o dinheiro em contas bancárias de laranjas, abertas com documentos de terceiros que foram clonados.

No dia 20 de janeiro, uma mulher procurou a 1ª DP (Delegacia de Polícia) da Capital para denunciar que sua foto estava sendo utilizada por um perfil falso no Facebook. Segundo a vítima, um conhecido entrou em contato e disse que viu o anúncio em um grupo de vendas chamado “OLX CAMPO GRANDE”, onde uma vendedora de nome “Clara Puga” estava com a mesma imagem do perfil da vítima, assim como foto de familiares dela.

Em uma das postagens, a mulher anunciou uma casa no Residencial Veneza, no Bairro Jardim Tijuca, por R$ 15 mil, sem parcelas. No fim do anúncio, a mulher escreveu: “OBS: Estou vendendo porque mudei de cidade, qualquer informação mande mensagem no Messenger!”.

Em outro anúncio, a vendedora ofereceu um apartamento no Residencial Botafogo, no mesmo bairro. O imóvel, com dois quartos, um banheiro, sala, cozinha e lavandeira é anunciado por R$12 mil.  Novamente, para evitar que as vítimas desconfiassem do preço abaixo do mercado, a estelionatária afirmou: “Motivo do valor é para venda rápida, apartamento quitado, dispenso curiosos”.

Uma das vítimas divulgou conversas no WhatsApp que teve com a suspeita. Por mensagem, a estelionatária diz que vendeu a casa anunciada no Bairro Tijuca antes de se mudar para Santa Catarina. A vítima pede a ela para ver o apartamento e a suspeita diz que quem irá mostrar o imóvel é sua irmã, pois não mora mais em Campo Grande.

Após investigação a mulher foi identificada e indiciada pelo crime de estelionato. Para a polícia, ela deu detalhes de como funcionava o esquema e admitiu  que conversava com as vítimas se passando por irmã de “Clara” – nome fictício.

Para não prejudicar as investigações que ainda estão em andamento, o delegado da 1ª DP preferiu não relevar o número de vítimas e os valores que a suspeita teria arrecadado com os golpes. “Agora, estamos investigando para localizar outros integrantes da associação. Pois, acreditamos que ela não agia sozinha”, explicou Mikaill Alessandro Gouvea Faria.

 A identidade da suspeita também não foi informada.

 

 

Veja Também

Polícia descobre esquema de fraude em instalação de rede de esgoto
Filho mata mãe a golpes de facão na Capital
Pecuarista perde R$ 123,7 mil em golpe de compra de gado
“Morte foi planejada pela internet”, diz polícia sobre homicídio de professor
Polícia apreende terceiro adolescente envolvido em assassinato de professor
Bandidos usam criança como escudo
Veículo roubado no RS é recuperado com 150 quilos de maconha
Dupla é presa tentando jogar maconha e celular para dentro do presídio
Idoso armado é preso desrespeitando toque de recolher
Casal é preso após furtar oito bicicletas de loja no centro