Menu
27 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Polícia Federal

Máquinas de Lama: ex-servidor foragido se apresentará à PF

Jodascil da Silva Lopes deverá ficar preso preventivamente

14 Mai2017Valdelice Bonifácio14h30

O ex-servidor público Jodascil da Silva Lopes deve se apresentar à Polícia Federal (PF) nesta segunda-feira, 15 de maio. A informação é da assessoria da instituição. Ele estava sendo procurado já que há um mandado de prisão em aberto contra ele, por conta da operação Máquinas de Lama, 4ª fase da Lama Asfáltica, que investiga um complexo esquema de irregularidades e distribuição de propina no governo de André Puccinelli (PMDB).

Segundo a PF, Jodascil facilitaria contratos com empresas que mais tarde ajudariam no financiamento de campanhas. Por conta da operação estão presos o ex-secretário estadual de Fazenda André Luiz Cance e o dono da Gráfica Alvorada, Mirched Jafar Junior. O próprio Puccinelli está usando tornozeleira eletrônica e precisa pagar fiança de R$ 1 milhão até esta segunda-feira, do contrário pode acabar preso.

Além de Jodascil,  a Polícia Federal também procurava Rudel Sanches Silva e Mauro Cavalli, ambos com mandados de condução coercitiva. Porém, na sexta-feira passada, eles se apresentaram na Superintendência Regional da PF e foram ouvidos em depoimento.

Máquinas de Lama – Conforme a PF, a operação Máquinas de Lama tem como objetivo desbaratar Organização Criminosa que desviou recursos públicos por meio do direcionamento de licitações públicas, superfaturamento de obras públicas, aquisição fictícia ou ilícita de produtos e corrupção de agentes públicos. Os recursos desviados passaram por processos de ocultação da origem, resultando na configuração do delito de lavagem de dinheiro.

Os valores repassados a título de propina eram justificados, principalmente, com o aluguel de máquinas. As investigações demonstraram que estas negociações eram, em sua maioria, fictícias, com o único propósito de aparentar uma origem lícita aos recursos financeiros. Em virtude deste estratagema criminoso, a Operação foi batizada de Máquinas de Lama.

Os prejuízos causados pela Organização Criminosa ao erário, levando-se em consideração os sobrepreços e desvios em obras públicas e as propinas pagas a integrantes da Organização Criminosa tem um valor aproximado de R$ 150 milhões, segundo a Polícia Federal.

Veja Também