Campo Grande •24 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
ALMS - Gestão para Pessoas

Valdelice Bonifácio | Quinta, 6 de Julho de 2017 - 22h18Quatro são condenados pela morte de policial civilTravesti Alexia que confessou ter atirado na vítima pegou 24 anos de prisão

  
Alexsandro Gonçalves Rocha, a travesti Alexia (de camisa azul), confessou ter atirado na cabeça do policial civil e recebeu a maior pena (Foto: Marco Miatelo)
  • Alexsandro Gonçalves Rocha, a travesti Alexia (de camisa azul), confessou ter atirado na cabeça do policial civil e recebeu a maior pena
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Em julgamento que durou 12 horas e trinta minutos nesta quinta-feira, 6 de julho, o juri da 1ª Vara de Campo Grande condenou quatro dos cinco acusados pelo assassinato do policial civil Dirceu Rodrigues dos Santos, crime que ficou conhecido  como caso Dirceu. As penas ficaram entre 24 e um ano de prisão.

A maior condenação coube ao réu Alexsandro Gonçalves Rocha, a travesti Alexia, que confessou ter atirado na cabeça de Dirceu. O policial, junto com seu colega Osmar Ferreira, investigava o roubo de uma joia quando foi morto, na noite de 22 de abril de 2014, no Jardim Campo Nobre, em Campo Grande.

Alexia foi considerada culpada de quatro crimes homicídio doloso qualificado com recurso que dificultou a defesa da vítima; lesão corporal dolosa em relação a Osmar Ferreira que foi agredido pelos autores; furto qualificado e corrupção de menores -- um adolescente dirigiu o veículo usado no dia do crime.

"O grau de culpabilidade foi intenso na ação que resultou no evento morte. O réu disparou friamente contra a cabeça da vítima Dirceu. O disparo foi a curta distância, segundo o laudo. A malvadez do delito foi elevadíssima pelo que deve sopesar em seu desfavor", avaliou o juiz ao ler a sentença que totalizou 24 anos de reclusão e três meses de detenção.

O irmão dele, Alexandre Gonçalves Rocha, que chegou a ser acusado pelos tiros, antes da confissão de Alexia, foi condenado a nove anos de prisão, três meses de detenção e 10 dias-multa. Ele foi considerado culpado dos crimes de lesão corporal dolosa seguida de morte, lesões leves contra Osmar Ferreira, corrupção de menores e furto qualificado, por ter subtraído a arma do policial morto.

O réu Cleber Ferreira Alves foi condenado a dois anos de reclusão, um ano de detenção e 20 dias-multa pelos crimes de posse irregular de arma de fogo de uso permitido e receptação. O irmão dele Renato Ferreira Alves foi condenado a um ano de reclusão mais um ano de detençao e 20 dias-multa pelos mesmos crimes que Cleber. 

Giovane de Oliveira Andrade inicialmente pronunciado por receptação, porte ilegal de arma de fogo, favorecimento pessoal e resistência foi absolvido de todas as acusações.

Veja Também
Idoso invade pista contrária e morre em colisão na BR-163
Rapaz é morto a golpes de facão em Corumbá
Pescador profissional é autuado com 84 kg de pescado ilegal
Jovem é executado com quatro tiros em Dourados
Polícia fecha ‘Disque-droga’ em Itaporã
Acusado de matar guarda municipal em Corumbá é solto
Indígena é ameaçado de morte pela família da ex-mulher
PMA liberta 50 quilos de peixes apreendidos em petrechos ilegais
Caminhonete fica destruída após desviar de carro e bater em árvore
Adolescente é baleado no pé e na clavícula
Square Noticias UCDB
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento