Menu
28 de maio de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Latrocínio

Jovem preso por latrocínio marcou encontro com contador assassinado

Vítima e assassino confesso se conheciam e crime teria sido planejado; Carro seria entregue na Bolívia por R$ 5mil

27 Mar2020Ana Lívia Tavares15h50

Ryan Victor da Vera Cruz Teles, de 20 anos, e Paulo Roberto Mendes dos Santos, 19 anos, acusados de latrocínio pela morte do contador Aparecido Ferreira da Silva, 49 anos, que teve o carro roubado vão permanecer presos preventivamente por determinação da justiça, após passarem por audiência de custódia, na manhã desta sexta-feira (27). Durante interrogatório, Ryan confessou à polícia que trocava mensagens com a vítima há alguns meses e marcou um encontro com a intenção de cometer o crime previamente planejado.

Ryan e Paulo foram presos pelo latrocínio, nesta quinta-feira (26), por equipe da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio), com apoio da DEPCA  (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), nas proximidades do terminal Bandeirantes, em Campo Grande, depois que a polícia localizou o veículo da vítima em uma oficina mecânica no Birro Colibri.

Na delegacia, os dois confessaram o crime e disseram que apesar de terem planejado o roubo, matam o contador porque ele reagiu ao que, inicialmente, era para ser um assalto. Ryan disse que conheceu a vítima na lanchonete onde o jovem trabalhava como atendente.

Os dois, passaram a conversar por mensagens de celular e no dia do crime, terça-feira (24), o jovem combinou um encontro com Aparecido. Ao chegar no local combinado para busca-lo, Paulo estava junto.

Ryan teria dito a vítima que se tratava de um amigo e pediu uma carona para ele. Em determinado momento, durante o trajeto, ele anunciou o assalto com uma faca. Porém, Aparecido reagiu e foi golpeado no braço e no abdômen.

Mesmo ferido, o contador tentou sair do veículo Celta ano 2008/2009 e Paulo o segurou num golpe “mata-leão”. A vítima ficou desacordada e a polícia aguarda o laudo necroscópico para saber se a causa da morte foram as facadas ou asfixia.

Depois de matar a vítima, a dupla jogou o corpo no matagal, perto do assentamento Santa Mônica, entre Campo Grande e Terenos. Pelo caminho, eles foram se desfazendo as coisas de Aparecido e o veículo apresentou problemas mecânicos. Foi o que impediu a empreitada até a fronteira, onde atravessariam o carro para a Bolívia.

Ryan e Paulo guincharam o carro até a oficina pagariam o concerto com o dinheiro roubado do contador. Até a polícia chegar a dupla e os rapazes serem presos.

Durante os três dias de busca parentes do contador realizaram várias postagens procurando por Aparecido. Em um post a família chegou a dizer que a vítima tinha sido vista em um banco acompanhado de dois homens em Campo Grande, logo após eles teriam levado o carro de Aparecido para Sidrolândia.

Os dois foram indiciados por latrocínio - o roubo seguido de morte. Paulo ainda vai responder  por tráfico de drogas porque a polícia apreendeu cocaína em sua casa. Ele já possui passagens anteriores.

Veja Também

Audiência sobre execução de filho de PM é feita por videoconferência
Defesa de oficiais da PM diz que provas não sustentam investigação
Operação contra a pedofilia resulta em quatro prisões em flagrante
Homens não aceitam fechamento de trailer de lanches e agridem comerciante
Polícia Civil prende assaltantes de padaria que agiram com violência
Professor está entre os presos por pedofilia
Operação mira pagamento de propina a policiais civis em MS
Idoso morre carbonizado nas moreninhas
Serial killer
Pedreiro e filha presos por homicídio de idoso são ouvidos por MP