Menu
18 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super Banner Campo Grande Expo
Crime bárbaro

Três já foram presos pela morte do ex-vereador e esposa

Dois ainda estão foragidos no interior com arma de fogo

19 Jul2017Elaine Silva e Dayene Paz10h28
(FOTO: Luciano Muta)
  • Casal foi morto na chácara
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Luciano Muta)
  • (FOTO: Divulgação/Batalhão de Choque)

O ex-vereador Cristovão Estevão (PSDB) e sua esposa Fátima Siqueira foram mortos na noite de ontem (18), em Campo Grande. A residência do casal foi arrombada e revirada, porém a suspeita que eles foram mortos na casa do caseiro. Os autores do crime são o caseiro Rivelino Mangelo, de 45 anos, e seus Alberto Nunes Mangelo, de 20 anos e  Rogério Nunes Mangelo, de 19 anos, que estão presos no Grupo Armado de Repressão a Roubos, Assaltos e Sequestros (Garras). Outros dois suspeitos estão foragidos no município de Corumbá, onde abandonaram o veículo, fugindo pela mata.

Segundo as informações do Choque, eles receberam uma denúncia de latrocínio na BR-080, saída para Rochedo e junto com o apoio do Garras foram para o local. No local, o caseiro foi localizado, ferido, onde informou que teriam sido vítima de um roubo. Ele foi socorrido e encaminhado para a Santa Casa. Entrando em contradição e levando a suspeita da polícia, o caseiro confessou o crime. Do hospital, ele foi encaminhado a sede do Garras.

Na casa, os agentes encontraram dois corpos, o do ex-vereador esfaqueado e o de Fátima apresentando queimaduras e poucas roupas, gerando a desconfiança de um possível crime sexual. 

Um filho e um sobrinho do caseiro foram encontrados nessa manhã na cidade de Anastácio e encaminhados pelo Choque para a sede do Garras. A caminhonete roubada foi interceptada perto da cidade de Corumbá, pela Polícia Militar, sendo abandonada pelos autores que fugiram pela mata e ainda não foram localizados. 

Um vizinho do casal, que preferiu não se identificar, relatou que o caseiro estava trabalhando na chácara há seis meses e morava com sua mulher paraplégica e uma filha de 13 anos. No celular de Rivelino, foram localizadas várias mensagens da premeditação do crime. 

A polícia fará uma coletiva de imprensa na tarde de hoje, para dar mais detalhes da investigação.

Veja Também