Menu
17 de junho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Crime

Assassino de major agiu por motivo torpe

Autor do crime pediu cigarro, mas diante da negativa esfaqueou a vítima em frente a hotel em Bonito

16 Abr2019Valdelice Bonifácio17h14
Major da reserva do Exército e professor de matemática Paulo Setteval (Foto: Reprodução/Facebook)
  • Delegado Gustavo Barros concedeu entrevista coletiva na Capital
  • Major da reserva do Exército e professor de matemática Paulo Setteval (Foto: Reprodução/Facebook)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O pintor Bruno da Rocha, de 31 anos, que está preso pelo assassinato a facada do major da reserva do Exército e professor de matemática Paulo Setteval agiu por motivo torpe, segundo a Polícia Civil. O crime foi praticado na noite de domingo, 14 de Abril, na cidade de Bonito, onde a vítima estava a passeio.

O autor alegou que passava, em uma bicicleta, em frente ao Hotel CLH, em Bonito, quando avistou a vítima fumando. Ele pediu um cigarro, mas Paulo não deu. Revoltado com a negativa, ele seguiu em frente e metros depois, deixou a bicicleta e voltou a pé em direção à vítima.

“Então, ele chegou por trás da vítima e golpeou-lhe no tórax. Paulo não teve chance de se defender. Por isso, Bruno foi enquadrado por homicídio qualificado, por motivo torpe e meio que dificultou a defesa da vítima”, relatou o delegado responsável pelo caso Gustavo Henrique Barros, de Bonito, durante entrevista coletiva concedida na Delegacia Geral de Polícia Civil (DGPC), na Capital na tarde desta terça-feira, 16 de Abril.

Conforme o delegado, na noite do crime, Bruno saiu pelas ruas de Bonito portando uma faca à procura da namorada com quem tinha discutido. No caminho, encontrou a vítima em frente ao Hotel e abordou pedindo o cigarro. A análise preliminar das imagens de câmeras de segurança da região aponta que não houve discussão entre os dois.

Bruno alega que o Paulo o teria chamado de trombadinha. A Polícia Civil não tem certeza de tal declaração partindo da vítima e trata o relato como uma possível estratégia de defesa de Bruno.

Após o crime, o autor foi à residência onde morava e queimou as roupas que usava no momento do crime, dando início a sua rota de fuga. Informações de populares ajudaram a polícia a chegar ao esconderijo de Bruno em uma casa abandonada em local afastado do centro de Bonito.

Ele não resistiu à prisão, mas a arma usada no crime não foi encontrada com o autor. Conforme o delegado, no momento da prisão, Bruno não estava embriagado ou sob efeito de drogas. Logo no primeiro depoimento, ele confessou o homicídio.

A briga entre Bruno e a companheira, bem como uma suposta intenção de mata-la estão sendo investigadas em sigilo. O rapaz já tem passagens anteriores por tráfico de drogas, ameaça e desacato.

Veja Também

Mulher é multada por maus-tratos a cães e aves silvestres
Polícia prende capataz por caçada e apreende pistola e animais abatidos
Receptação Motocicleta roubada é recuperada, após anúncio de venda Véiculo estava sendo anunciado por R$ 1,9 mil
Receita paga hoje as restituições do 1º lote do Imposto de Renda
Polícia apreende 850 kg de maconha no Nova Lima
Guerra entre facções deixa nove mortos
Marido agride esposa com martelada na cabeça
Casal contratado para transportar maconha é preso
Tio e sobrinho são mortos a golpes de facão em aldeia
Pedreiro é assassinado à facada na Capital