Menu
3 de abril de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Coronavírus

Sem aulas, escolas abrigam moradores de rua

Salas de aula viraram dormitórios; também serão oferecidos atendimento médico, alimentação e outros

26 Mar2020Da redação14h58
(Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Duas escolas públicas de Campo Grande estão recebendo morares de rua como parte do plano de ação para atender esse público, além de migrantes e estrangeiros no enfrentamento do novo coronavírus, COVID – 19.

A estratégia da prefeitura para sensibilizá-los e convencê-los a sair da rua foi arrumar alojamentos nas escolas que estão com as aulas suspensas. Em cada sala de aula, foram montados dormitórios. Nestes locais, estão sendo oferecidos orientação médica, alimentação, higiene, segurança para que fiquem isolados e não mais nas ruas.

As abordagens ocorrerão 24h por dia, ou seja, ininterruptamente, observando o toque de recolher publicado por meio de Decreto Municipal.

Na Escola Municipal Pe. Tomaz Ghirardelli ficarão migrantes, imigrantes e os idosos. Na Escola Municipal Doutor Plínio Barbosa Martins ficará a população de Rua de Campo Grande e no CETREMI (Centro de Triagem do Migrante e População em Situação) vai continuar atendendo àqueles casos mais graves, que são as pessoas usuárias de entorpecentes.

No Centro POP vai ficar atendendo até sexta-feira e as pessoas terão acesso a higiene pessoal e depois encaminhadas ao acolhimento.

O acompanhamento e/ou monitoramento se dará por meio de reuniões com os componentes do Comitê COVID-19 SAS; pela Superintendência de Proteção Social Especial e suas Gerencias de Média e Alta Complexidade.

A Prefeitura vai possibilitar acesso à rede de serviços por meio do isolamento social; vai oferecer transporte até os locais de acolhimento e proporcionar alimentação, banho, higienização, entre outras necessidades, de forma a garantir que os direitos dessas pessoas não sejam violados.

Serão 4 locais de Acolhimento Institucional:

CETREMI – Centro de Triagem do Migrante e População em Situação de Rua (Endereço: Rua Jornalista Marcos Fernandes, S/Nº Jardim Veraneio / Parque dos Poderes)  vai atender os casos mais graves e pessoas adictas;

Escola Municipal Pe. Tomaz Ghirardelli (Endereço: Rua Lucia dos Santos nº 578 – Bairro Dom Antônio Barbosa)  Vai atender migrante e imigrante (homens mulheres e famílias);

Centro Dia – exclusivo para idosos.

Escola Municipal Doutor Plínio Barbosa Martins (Endereço: Rua São Pio de Pietrelcina, 430 – Jardim das Macaúbas)  Vai atender população em situação de rua de Campo Grande;

Nos locais haverá alimentação, equipe técnica de plantão de 12/36h, coordenado, educadores sociais e merendeiras. Serão ofertadas 4 refeições por dia, há 4 banheiros feminino e 4 masculino (nas duas escolas). No Cetremi tem 8 banheiros e no Centro Dia 2 banheiros.

Veja Também

Mais dois casos suspeitos de Covid-19 são descartados em Corumbá
Mais de 3 mil pessoas passaram nas barreiras sanitárias em MS
Ônibus circularão das 5h às 21h30 só com passageiros sentados
Senado aprova projeto que muda regras durante pandemia
Parque vira polo de atendimento da COVID-19
Sesc Morada terá 2º happy hour digital, com a banda On The Road
Condutor pode trafegar sem placa, mas deve portar documento
Brasileiros repatriados da Bolívia chegam a Corumbá
Casos de Covid-19 estão em áreas nobres
MS reage à crise do coronavírus com mais de 60 medidas