Menu
30 de março de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Coronavírus

Fábrica de cerveja para produção e envasa álcool para hospitais e postos de sáude

Cervejaria Campo Grande envasou mais de 60 mil litros de álcool 70º GL nesta quarta-feira

25 Mar2020Da redação17h10
(Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)

A Cervejaria Campo Grande – que produz as cervejas Bamboa e Moema e os refrigerantes Refriko -- parou a linha de produção destes produtos, mais uma vez, para envasar álcool 70º GL, na segunda etapa de distribuição do produto para hospitais e postos de saúde do MS. Nesta quarta-feira, dia 25, mais de 60 mil litros do produto deixaram a unidade fabril rumo aos estabelecimentos de saúde.

A empresa está atendendo ao pedido do Governo do estado, através da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiara (SEMAGRO), sob o comando do Secretário Jaime Verruck.

O álcool que está sendo engarrafado pelo Grupo Refriko vem de uma doação de 200 mil litros feita pela BioSul – Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul. O produto é do tipo 96% e para se transformar em álcool “70 GRAUS INPM*” (não é GRAU GL), o mais recomendado ao combate do Coronavirus, precisa antes passar por um processo de adequação.

Primeiro ele recebe uma porcentagem de água - que no caso da fábrica de cerveja Campo Grande vem do Aquífero Guarani – para se tornar menos volátil, o que faz com que ele atue por mais tempo nas superfícies. Essa quantidade de água, primeiro tem de passar por um processo de desinfecção através de luz ultra-violeta. O sistema já existe na fábrica de cervejas e pode purificar cerca de 5 mil litros de água por hora.

Para o envase e distribuição o Refriko fez a doação das garrafas pet de 2 litros, usadas no engarrafamento dos refrigerantes da marca e disponibilizou sua linha de fabricação para abastecer as garrafas com álcool por, pelo menos, 8 horas por dia. “Não podemos pensar em prejuízo comercial num momento tão delicado que estamos vivendo. É mais importante pensar no ganho social. Fomos solicitados pelo Governo do Estado para colaborar e estaremos à disposição para o que for necessário. Espero que outros empresários tenham a mesma consciência”, afirmou Márcio Mendes, presidente do Grupo Refriko.

O processo de recebimento e envase do total de 200 mil litros de álcool pela fábrica tem sido feito em etapas para evitar riscos. Como o produto é altamente inflamável, só é possível receber e envasar 50 mil litros por dia e todo o processo é controlado pelo Corpo de Bombeiros de Campo Grande com caminhões de combate a incêndio para evitar possíveis acidentes.

Espera-se que nesta semana, a fábrica envase cerca de 250 mil litros do produto readequado - já com adição de água tratada – que serão distribuídos pelo governo do estado às instituições de saúde.

Veja Também

Mapa mostra bairros onde há casos confirmados de covid-19
Universidades criam aplicativos para ajudar no combate ao coronavírus
Itália registra mais 756 mortes por coronavírus e total chega a 10.779
MS já tem 36 infectados pelo coronavírus
Mais dois casos são notificados como suspeitos de COVID-19 em Três Lagoas
PRF recebe doações de alimentos e kits de higiene para caminhoneiros
Sobe para dois os casos confirmados de COVID-19 em Dourados
Estado deve ter reforço no número de leitos de UTI
Central telefônica vai orientar e tirar dúvidas sobre Covid-19 na Capital
Saiba a diferença entre emergência em saúde e estado de calamidade