Menu
28 de fevereiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Retrospectiva

Em 2019, crianças e mulheres foram vítimas de crimes brutais

Menina foi jogada de cabeça no chão e servidora pública foi morta, incinerada e teve as cinzas jogadas no Rio Paraguai

31 Dez2019Da redação09h00
Evaldo Christyan Dias Zenteno, de 21 anos, confessou ter matado o próprio filho afogado (Foto: Marco Miatelo)
  • Cecilio Martins Centurião Junior atirou criança de cabeça no chão e foi preso
  • Evaldo Christyan Dias Zenteno, de 21 anos, confessou ter matado o próprio filho afogado (Foto: Marco Miatelo)
  • Servidora pública Nathália Alves Corrêa Baptista, de 27 anos, foi assassinada brutalmente (Foto: Reprodução)

O ano de 2019 foi de profunda tristeza para famílias que sofreram perdas em razão de crimes bárbaros em Mato Grosso do Sul. Três casos chocantes ilustram a lamentável realidade do noticiário policial do ano, sendo dois em Campo Grande e o outro em Porto Murtinho.

Na tarde de 11 de Dezembro, uma menina de 3 anos foi jogada de cabeça no chão por um homem de 34 anos que sequer a conhecia. O caso aconteceu no Bairro Moreninhas, em Campo Grande.

A mãe contou à polícia que estava empurrando o carrinho da filha na Rua Baoba, quando o homem desconhecido se aproximou, pegou a criança e a arremessou. O autor identificado como Cecilio Martins Centurião Junior foi agredido e contido por populares até a chegada da Guarda. Ele está preso.

A menina morreu na Santa Casa um dia após o crime. Os órgãos dela foram doados.

Em Setembro, por não aceitar o fim do relacionamento com a ex-mulher, um homem matou afogado o próprio filho de dois anos em Campo Grande. Evaldo Cristyan Dias Zenteno, 21 anos, disse no momento em que foi preso “que queria fazer ex-mulher sofrer” e que a mãe da criança  o teria traído.

O menino teve a cabeça colocada em uma bacia de água até a morte, depois o pai juntamente com o amigo levou a criança até a Santa Casa. Ele está preso.

Em junho, a servidora pública Nathália Alves Corrêa Baptista, de 27 anos, foi assassinada teve o corpo queimado e as cinzas foram jogadas no Rio Paraguai, em Porto Murtinho.

A vítima foi morta por um homem com quem ela mantinha um relacionamento e pela namorada dele em uma pousada no município. A jovem foi assassinada a golpes de barra de ferro após ser dopada pelo casal, conforme a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE).

O corpo foi levado para a casa da mulher denunciada. Na residência, o cadáver foi queimado.

A s cinzas do cadáver de Nathália foram colocadas em vasilhames e sacos plásticos e jogadas no rio Paraguai. O local onde houve a queima foi concretado para que não fossem encontrados vestígios.

Os dois suspeitos estão presos. Eles são acusados pelos crimes de homicídio qualificado, que prevê pena de 12 a 30 anos de prisão e multa, e por destruição de cadáver em que sentença pode variar  de  1 a 3 anos de prisão e multa.

 

 

Veja Também

TV MS Record Carnaval de Corumbá ao vivo; assista já Desfile cultural da Cidade Branca é transmitido vivo pela equipe da TV MS Record
TV MS Record Carnaval de Corumbá ao vivo; assista agora aqui Equipe da TV MS Record acompanha em tempo real o carnaval mais animado do interior do Estado
Cantor Amado Batista participa do Balanço Geral MS
‘Caipivara’ estreia no Balanço Geral MS
TVMS Record inova no formato publicitário para anunciantes de Dourados
Invasão misteriosa tira Cidade Alerta MS do ar
Blitz do Rodrigão vai ao Caiçara no sábado
Rede MS celebra Dia dos Publicitários com folia
Diário de Influência inova comunicação digital
Em 2019, 14 de Julho foi transformada