Campo Grande •22 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
ALMS - Gestão para Pessoas

Valdelice Bonifácio | Terça, 5 de Setembro de 2017 - 17h00Wesner era alvo de maldades no lava jato, diz mãeMãe e testemunhas de acusação foram ouvidas em audiência do caso lava jato

  
Marissilva Moreira da Silva chora apegada à fotografia do filho Wesner Moreira que morreu dias após ser agredido em lava jato (Foto: Marco Miatelo)
  • Marissilva Moreira da Silva chora apegada à fotografia do filho Wesner Moreira que morreu dias após ser agredido em lava jato
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Chorando muito e amparada por familiares, Marissilva Moreira da Silva, mãe do jovem Wesner Moreira da Silva, 17 anos, morto após agressão em um lava jato de Campo Grande, compareceu à primeira audiência de instrução do caso no Fórum da Capital, na tarde desta terça-feira, 5 de setembro. “Eles fizeram algo muito cruel (...) Não quero que fiquem soltos. Wesner me pediu que lutasse por justiça”, disse à mulher se referindo aos acusados pelo crime Thiago Giovanni Demarco Sena, 20, dono do lava jato e Willian Henrique Larrea, 30, funcionário do estabelecimento.

O crime aconteceu no dia 3 de fevereiro de 2017. Na ocasião, Wesner teve uma mangueira de alta pressão introduzida no corpo por Thiago e Willian. Conforme a mãe, esta não foi a primeira vez que o filho foi alvo de maldades no lava jato. Durante depoimento ao juiz Carlos Alberto Garcete, ela relatou duas outras situações que a revoltaram e a levaram a aconselhar o filho.

Os réus não foram ouvidos desta vez. Eles acompanharam a audiência em silêncio. Falaram apenas testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público Estadual (MPE), sendo a mãe de vítima, a assistente social e o enfermeiro que prestaram os primeiros socorros à vítima na unidade de saúde do Bairro Tiradentes, além de quatro primos da vítima. Somente após a instrução é que o juiz decidirá se os réus irão ou não a júri popular.

Thiago e Willian devem ser ouvidos na segunda audiência marcada para 2 de outubro. Na mesma ocasião, também serão ouvidas testemunhas de defesa. A dupla afirma que estava apenas brincando e que não tinham a intenção de matar ou ferir Wesner, alegação que a família contesta.  “Não foi brincadeira. Tiraram meu filho de mim”, disse Marissilva.

Brincadeiras duvidosas – Durante o depoimento, a mãe da vítima relembrou que Wesner conhecia Willian desde criança já que o acusado frequentava a casa da família. Contudo, havia semanas que ela vinha pedindo que o filho se afastasse dele, após tomar conhecimento de que Wesner era alvo de brincadeiras de gosto duvidoso no lava jato.

“Um dia deram-lhe uma massa estranha como se fosse bala. Ele comeu e ficou ruim do estômago. Teve que tomar remédio (...) Outra vez, ele estava limpando o carro quando o trancaram dentro do veículo”, relatou. Apesar disso, Wesner não queria se afastar. Dizia ter gratidão a Willian, pois foi ele quem lhe arrumou o emprego no lava jato. Marissilva ressaltou ter falado pessoalmente com Willian sobre as “brincadeiras” e pediu que ele parasse.

No dia da agressão, a mulher foi levada à Santa Casa pelos próprios agressores que, contudo, não lhe contaram o que tinha acontecido. “Pensei que fosse algo pequeno, do tipo quebrar a perna ou o braço. Só entendi quando o médico falou”, relembra. Ela informou ter ouvido relato do filho, dias antes da morte dele, sobre como os fatos ocorreram.

“Todos tinham lanchado e Wesner estava quieto limpando um carro. Foi quando Willian apareceu com um pano molhado. Wesner pediu que ele lhe pagasse uma Coca-Cola. O semblante de Willian se transformou naquele momento. Wesner disse que correu dele, mas Willian o pegou e colocou nos ombros. Wesner pediu que Willian o deixasse, mas ele o levou até Thiago, que abaixou as calças dele e introduziu a mangueira de ar”, diz a mãe reproduzindo o relato feito pelo filho no hospital.

Wesner também teria dito à mãe que, após ter a mangueira introduzida, vomitou e caiu. “Mas, apesar de estar no chão, ele estava consciente e via tudo o que acontecia. Ele disse: mãe eu parecia aqueles bonecos de ar, sem controle, mas eu via tudo”, mencionou a mulher.

O advogado Thiago e Willian, Francisco Guedes acompanhou a audiência.  A dupla responde pelo crime de homicídio doloso (quando há intenção de matar) em liberdade. Eles não têm antecedentes criminais.

Veja Também
Cassems cadastra 200 colaboradores como doadores de Medula Óssea
'Paz no trânsito', pede vereador atropelado na Capital
Joesley e Wesley Batista são indiciados pela PF por suspeita de crime financeiro
No dia do Cão Idoso, universidade oferece serviços gratuitos em shopping
Vizinhos apagam fogo em residência na Capital
Vandalizadas, capivaras deixarão pontos turísticos
Ações arrecadam brinquedos para crianças carentes
Sicredi Centro-Sul MS irá sortear 26 viagens para associados
Agentes penitenciários se aperfeiçoam em técnicas de imobilização
Alvorada e Rede MS distribuem mudas nativas na Praça Ary Coelho
Square Noticias UCDB
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothShop
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento