Menu
23 de setembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Restrição

Uso de Narguilé em locais públicos poderá ser proíbido

Cachimbo só poderá ser utilizado em locais específicos

11 Jun2019Byanca Santos - Especial para o Diário Digital16h38

Vereadores de Campo Grande aprovaram, por 19 votos a 4,  nesta terça-feira (11), restrições ao uso do cachimbo conhecido como “Narguilé” em locais públicos.

O projeto de lei Projeto de Lei 9.157/18, dos vereadores Delegado Wellington e João César Mattogrosso, recebeu emenda, autorizando o uso em tabacarias e congêneres, espetáculos e shows musicais, com ambientes específicos para a prática, ficando vendada a permanência de crianças ou adolescentes nestes locais.

“Particularmente, como médico, acho que todo mundo pode fumar. Mas, ninguém é obrigado a sentir o aroma daquela fumaça. Acho que é um projeto meritório”, considerou o vereador Dr. Lívio.

O descumprimento da lei implicará em multa de R$ 500, dobrado o valor, em caso de reincidência. A regulamentação, ainda conforme o Projeto, deve ocorrer em 30 dias.

O vereador Gilmar da Cruz reforçou que a lei não proíbe o uso do cachimbo, no entanto, apenas restringe a prática em alguns lugares. “Esse projeto é muito interessante, pois não estamos liberando, nem proibindo, mas estamos limitando em locais públicos, principalmente onde há grande fluxo de pessoas. A pessoa que não usa não pode sentir o cheiro daquela fumaça, assim como o cigarro”, analisou.

O uso do narguilé em locais públicos foi tema de debate promovido pela Câmara Municipal no mês de abril. Empresários, especialistas no assunto e representantes do poder público discutiram a proposta, que prevê, ainda, que a fiscalização e aplicação das sanções pelo descumprimento ficarão a cargo dos órgãos competentes da municipalidade, podendo, inclusive, requisitar apoio da Polícia Municipal

Contrário ao projeto, o vereador Vinicius Siqueira disse ser contra a intervenção do Estado na vida particular das pessoas. “Tenho uma linha liberal de evitar que o Estado intervenha na vida do cidadão. Por isso meu voto é não”, resumiu.

Na mesma linha, seguiu o vereador Valdir Gomes. “Desde o início, fui contra proibir, pois o que é proibido, é mais instigante. Não voto a favor, pois o problema é de cada um”, disse.

A proposta segue para sanção do prefeito Marcos Trad.

(Com informações com Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal)

Veja Também

Governo sanciona lei que facilita renegociação de dívidas com Agehab
Pecuaristas são multados em R$ 104 mil por desmatamentos ilegais
Confira escala médica nas UPAs e CRSs para este domingo
Governo vai pavimentar rodovia que liga Norte do MS ao Pantanal e Bonito
Digital influencer leva curso de marketing digital e ensina sobre moda na periferia
Decreto institui grupo para cobrar inscritos na dívida ativa
MS sedia evento regional de internet e tecnologia
Descubra alguns hábitos que interferem na saúde dos dentes
Pesquisas indicam ingestão de microplásticos por humanos
Cliente fidelizado pode se tornar porta-voz do negócio