Campo Grande •21 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Águas Guariroba - Campanha Águas Faz Mais

Agência Brasil | Segunda, 2 de Janeiro de 2017 - 08h27Um ano após anúncio, repelentes não foram entregues a grávidas do Bolsa FamíliaPregão para a compra dos produtos foi feito em dezembro do ano passado e o processo de licitação está em andamento

Pregão para a compra dos produtos foi feito em dezembro do ano passado e o processo de licitação está em andamento
Pregão para a compra dos produtos foi feito em dezembro do ano passado e o processo de licitação está em andamento (Foto: Juca Varella/Agência Brasil)

Um ano após o anúncio feito pelo governo federal, os repelentes prometidos a grávidas beneficiárias do Programa Bolsa Família ainda não começaram a ser entregues. O pregão para a compra dos produtos foi feito em dezembro do ano passado e o processo de licitação está em andamento.

A expectativa do Ministério da Saúde é de que, uma vez concluída a fase da licitação, os repelentes passem a ser entregues cerca de 15 dias depois. Ainda segundo a pasta, a burocracia comprometeu a agilidade do processo, já que houve dificuldade em encontrar empresas com capacidade de fornecer o produto em grandes quantidades.

Diante dos entraves, a nova previsão do governo federal é que os repelentes comecem a ser distribuídos no fim deste mês – cerca de um mês após o início do verão, período em que as chuvas intensas contribuem para a proliferação do mosquito Aedes aegypti. O vetor transmite os vírus da dengue, febre chikungunya e Zika.

O anúncio

Em janeiro de 2016, o governo federal anunciou que distribuiria gratuitamente repelentes a grávidas que participam do Programa Bolsa Família. A ação buscava intensificar o combate ao mosquito, responsável pelo aumento dos casos de microcefalia no país.

O ministro da Saúde à época, Marcelo Castro, informou que iria se reunir com fabricantes de repelentes para estudar a viabilidade de fornecer a quantidade necessária. Segundo ele, o governo trabalha com o número médio de 400 mil gestantes aptas a receber o produto em todo o país.

O decreto

Em abril do ano passado, a então presidente Dilma Rousseff assinou decreto que instituía o programa de prevenção e proteção individual de gestantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica contra o Aedes aegypti.

De acordo com a publicação, se caracterizam como em situação de vulnerabilidade socioeconômica as gestantes que integram famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família.

A definição de quais os insumos que seriam adquiridos e distribuídos ficaria a cargo do Ministério da Saúde que, conforme o decreto, atuaria de forma conjunta com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome para a implementação do programa.

Veja Também
Audiência Pública no dia 16 vai discutir problemas nas obras da BR-163
PMA de Bonito resgata 25 ribeirinhos durante trabalhos
Ação em Três Lagoas contará com diversos serviços
STJ vai soltar Wesley Batista e mantém Joesley preso
Por conta da chuva, JBS solta 406 bois e abate quatro animais
Procon Estadual fiscaliza feira em centro de exposições na Capital
Grandes nomes do empreendedorismo feminino virão à Capital
Trote na UFMS tem solidariedade e doação de cabelo
Cheia do Aquidauana se equipara à de 2011, maior registrada
Advogados fundam Instituto de Direito Administrativo em MS
Square notícia uci
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento