Menu
21 de novembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Acidente

Cresce a violência no trânsito

Trânsito mata mais de 1,3 milhão de pessoas todos os anos, diz OMS

8 Dez2018Da redação12h16

De acordo com um estudo divulgado nesta sexta-feira (7) pela Organização Mundial da Saúde, a OMS, mais de 1 milhão e 350 mil pessoas perdem a vida todos os anos em decorrência de acidentes de trânsito.

O Relatório da Situação Global deste ano aponta que, atualmente, as lesões causadas pelo trânsito são a principal causa de morte de crianças e jovens entre 5 e 29 anos.

No Distrito Federal, por exemplo, existe um projeto chamado Transitolândia, onde os alunos do ensino fundamental são educados a agirem de forma segura no trânsito, para se tornarem multiplicadores de boas práticas. Ouça como a estudante Sofia Freire aprendeu direitinho a lição.

“Tem que prestar atenção para dirigir. Não pode ver o celular quando está dirigindo, se não você pode bater o carro e acontecer um acidente grave.”

De acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, o uso de celular ao volante já é a terceira maior causa de fatalidades no trânsito do Brasil. Anualmente, o trânsito tira a vida de mais de 37 mil pessoas no país.

O uso de celular também é um risco para os pedestres. Cada vez mais, são registrados casos de pessoas atropeladas porque estavam distraídas com o seu telefone no momento de atravessar uma rua ou um cruzamento.

Aqui no Brasil, o Código de Trânsito Brasileiro completou 20 anos. Os avanços na legislação trouxeram mais segurança para motoristas, passageiros, pedestres e motociclistas, mas ainda é preciso diminuir os acidentes de trânsito.

Neste ano, por exemplo, começou a vigorar uma lei que aumenta a pena para quem cometer crimes ao dirigir, principalmente se o cidadão estiver sob efeito de álcool ou de outra substância entorpecente. Agora, a pena passa a ser de 5 a 8 anos de reclusão, além da suspensão ou proibição do direito de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo.

A Michele Santos do Nascimento, de 32 anos, perdeu a mãe e a irmã, no Dia das Mães, por conta de um motorista alcoolizado.

“Um motorista alcoolizado veio em alta velocidade e bateu no nosso carro. Com isto a gente atingiu mais três carros da frente, foi um engavetamento e ele foi nos arrastando por 20 metros e com isso a minha mãe veio a óbito e a minha irmã também faleceu.”

De acordo com o estudo, houve progressos na legislação que, de forma geral, foi aperfeiçoada, visando a redução de riscos, o excesso de velocidade e vetos à ingestão de bebida alcoólica antes da direção. Também há menção à obrigatoriedade quanto ao uso de cintos de segurança e capacetes.

Além disso, o estudo da OMS aponta que os pedestres e ciclistas são responsáveis por 26% de todas as mortes no trânsito, enquanto os motociclistas e passageiros por 28%.

 

Veja Também

Motociclista será indenizado por queda em
Banco Central será mais cauteloso com juros depois do fim do ano
Prefeitura de Corumbá leiloa veículos e bens inservíveis
Uso inadequado de antibióticos aumenta resistência de bactérias
Homem é condenado por matar suposto amante de ex-namorada
Dourados inaugura Banco de Sementes Crioulas da Reserva Indígena
Sete em cada 10 brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas
Carteira Digital de Trânsito agora avisa sobre vencimento de CNH
Caminhada pela Cannabis Medicinal será no dia 23 na Capital
IPTU poderá ser pago à vista com 20% de desconto