Menu
21 de agosto de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Expo MS
Paralisação

Trabalhadores dos Correios fazem paralisação contra alteração

Empresa suspendeu férias, ao mesmo tempo em que promove demissões através de Planos de Demissão Incentivadas

11 Mar2018Da redação14h40

Os trabalhadores dos Correios farão uma paralisação nacional no dia 12 março contra alteração no Acordo Coletivo de Trabalho vigente, com validade até o dia 31 julho. O Acordo Coletivo foi assinado pelas duas partes (empresa e representação dos trabalhadores) e foi homologado pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho), porém a direção dos Correios entrou com um pedido de dissídio no TST pedindo alteração na cláusula que trata do Plano de Saúde dos Trabalhadores, com a finalidade de excluir pais e mães do plano. Além disso a empresa suspendeu férias, ao mesmo tempo em que promove demissões através de Planos de Demissão Incentivadas.

"Temos um acordo assinado pela empresa e homologado pelo TST. Agora querem mudar antes do prazo de validade do acordo. Isso é quere mudar o resultado de um jogo depois do jogo ter terminado, o resultado aceito por todos e a súmula assinada" afirma a presidente do SINTECT-MS (Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul, Elaine Reginal Oliveira. "O que vale então um Acordo Coletivo homologado pelo TST? O desmonte das leis trabalhistas vai chegar ao ponto dos Acordos Coletivos não terem mais validade legal nenhuma?", questiona.

Segundo Elaine, a paralisação nacional é uma deliberação da Federação Nacional da categoria e visa defender o Acordo Coletivo. "Nossos direitos estão ameaçados. Lamentamos o transtorno que toda paralisação traz para a população. Mas quem defenderá nossos direitos por nós?"

Ela aponta também a contradição do discurso da empresa. "Acabam de revogar as férias de todos os funcionários. Há falta de pessoal em todos os setores. Os atrasos aumentam. Mas ao mesmo tempo a empresa promove demissões. De 124 mil trabalhadores, os Correios têm hoje cerca de 106 mil. Estão desmontando uma estatal que sempre funcionou a contento, estão desmoralizando deliberadamente os Correios para justificar a sua privatização. O que o governo Temer está fazendo é um crime contra o patrimônio da nação para atender interesses empresariais privados".

A paralisação tem início à zero hora do dia 12 de março.

Veja Também

Clima Capital teve frio de 9°C Dia pode permanecer nublado mas sem previsão chuva
Mostra de Turismo terá trilhas e observação de aves na Capital
Roraima volta a pedir ao STF limite de entrada de venezuelanos
Nova espécie de rã recebe nome em homenagem a Corumbá
Animais ganham novos lares em ação do CCZ
Prefeitura de Dourados denuncia furtos de cabos da rede elétrica
Prefeitura quer melhorar serviço de Zona Azul em Três Lagoas
MPE investiga fiscalização de transporte de resíduos e entulhos
Justiça faz mutirão de causas de violência contra mulher
Capital lança programa para valorizar vida