Campo Grande •21 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Da redação | Sábado, 19 de Agosto de 2017 - 11h53TJ mantém suspenso decreto que regulamenta Uber na CapitalDesembargador recebeu o recurso no efeito devolutivo, mantendo liminar em vigor

(Foto: Marco Miatelo)

Em decisão proferida nesta quarta-feira (16), o Des. Eduardo Machado Rocha negou a concessão do efeito suspensivo no pedido do Município de Campo Grande em agravo ajuizado contra decisão que suspendeu liminarmente a regulamento do serviço de Uber na Capital. O desembargador apenas recebeu o recurso no efeito devolutivo, mantendo em vigor a liminar.

O Município de Campo Grande ingressou com agravo de instrumento contra decisão liminar da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande que suspendeu o Decreto Municipal 13.157/2017.

A liminar suspendeu expressamente uma série de exigências previstas no decreto: autorização para o transporte privado individual de passageiros; aprovação em curso de formação; operar veículo com, no máximo, 5 anos de fabricação; utilizar veículo registrado em nome próprio ou de seu cônjuge; ter placa do veículo na categoria aluguel; ter licenciamento e emplacamento do veículo no município de Campo Grande; ter identificação visual de ser o veículo para transporte privado individual de passageiros e acesso às informações específicas sobre a origem e o destino da viagem.

Alega o Município que “não ficaram comprovados os requisitos indispensáveis à tutela de urgência, mormente em se tratando de suspensão de ato legislativo que ostenta presunção de legalidade”. Relata ainda que o decreto impugnando contou com amplo debate público, inclusive com os motoristas das OTTs (Operadoras de Tecnologia de Transporte).

O agravante suscitou também que as condições previstas no decreto têm por objetivo a proteção e segurança do consumidor, viabilizar a atividade tributária do Município, a fim de resguardar a competitividade leal do mercado e preservar o caráter privado dos serviços de transportes prestados por meio das OTTs. Requer assim a concessão do efeito suspensivo.

Em sua decisão, o desembargador afirmou primeiramente que, como regra, o agravo não possui efeito suspensivo, mas em alguns casos é possível a concessão, quando a decisão agravada puder causar danos irreparáveis aos interesses do recorrente. Todavia, no presente caso “não constato a presença dos pressupostos necessários à concessão do efeito suspensivo”, ressaltou.

O desembargador afirmou ainda que no dia 16 de maio de 2017, na intenção de regulamentar o art. 18 da Lei de Mobilidade Urbana (Lei n. 12.587/2012), o agravante editou o referido decreto a fim de disciplinar a atividade econômica privada de transporte individual remunerado de passageiros de utilidade pública, grifando o último item "utilidade pública".

Conforme explica o Des. Eduardo Machado Rocha, além do decreto questionado ter atribuído ao transporte privado individual de passageiros a natureza de "utilidade pública", também criou obrigações não previstas na Lei de Mobilidade Urbana, ou seja, o regulamento inovou a ordem jurídica, pois criou obrigação que a lei sequer previu.

“Tanto é verdade que a Lei nº 12.587/12 não definiu o transporte privado individual de passageiros como sendo de utilidade pública e muito menos como dependente de autorização estatal, circunstâncias essas previstas no decreto impugnado”, destacou.

O desembargador cita a decisão agravada, a qual entende que a Lei de Mobilidade Urbana não exige autorização do poder público para o exercício do transporte privado individual, ainda que remunerado, ao contrário do que prescreve com relação a atuação dos táxis, estes sim prestadores de um serviço público típico. Sendo assim, entendeu o desembargador que o agravo não faz jus à concessão do efeito suspensivo, de modo que recebeu o recurso apenas no efeito devolutivo.

Veja Também
Anvisa aprova novo medicamento para tratar câncer de bexiga
Empresa garimpa talentos em comunidade negra na Capital
TSE lança canal no Twitter para tirar dúvidas do eleitor
Operação combate publicidade irregular em Três Lagoas
Investigação descarta febre amarela em macaco
Prazo para renovação do Fies é prorrogado para 30 de novembro
Audiência debate mobilidade da Av. Bandeirantes e Rua Brilhante
Recapeamento interdita trechos da Avenida Mato Grosso
Segunda, 20 de Novembro de 2017 - 11h20Prefeitura convoca clínicos e especialistas para reforçar atendimentos de urgência Edital de convocação nº 40/2017 foi publicado na edição desta segunda-feira (20)
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento